Centro político não vê fim do mundo com Lula

Centro político não vê fim do mundo com Lula

Coluna do Estadão

10 de novembro de 2019 | 05h00

A despeito da agudização provocada pela saída de Lula do cárcere, nem todas as lideranças de centro dão como líquida e certa a manutenção do império da polarização em eleições vindouras. Um bom termômetro foram as apenas singelas manifestações de rua contra e a favor do petista no dia do julgamento. “O cenário das redes sociais não está sendo uma cópia fiel da vida real. Minha impressão é de que PT e governo (Bolsonaro) vão se equilibrando no ombro um do outro, mas as coisas estão acalmando”, diz o ex-governador Paulo Hartung.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa em frente à sede da PF em Curitiba, após ser solto Foto: CARL DE SOUZA / AFP

Chega de… Hartung, ex-governador do Espírito Santo, atua hoje como um dos principais articuladores do centro, além de ser forte amigo de Luciano Huck.

…tanta… Ele tem se aproximado de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e é quem está ajudando a consolidar a reforma social, proposta pelo presidente da Câmara.

…polarização? Para Hartung, mesmo com Lula radicalizando o discurso, será crescente na sociedade a parcela dos insatisfeitos que, na eleição de 2018, optaram pelo voto útil.

Deu ruim. Em São Paulo, os tucanos não estão tão otimistas no curto prazo. Avaliam que a volta de Lula ao ringue diário do debate público favorece, além dos nomes do PT, os candidatos a prefeito à direita de Bruno Covas (PSDB).

Opa!. Quem esfrega as mãos com a soltura de Lula é Joice Hasselmann (PSL), dona de um histórico de embates com o PT. O mesmo não se pode dizer do apresentar José Luiz Datena, que já viveu em lua de mel com o ex-presidente.

Cubo mágico. O governador do Paraná, Ratinho Jr. (PSD), se esforça para não melindrar aliados nas eleições municipais de 2020. Tem neste momento nada menos do que três pré-candidatos a prefeito de Curitiba ligados ao governo dele.

Cubo mágico 2. O deputado estadual Delegado Francischini (PSL), o secretário Ney Leprevost (PSD) e o atual prefeito Rafael Greca (DEM) cobiçam o apoio do governador. Diante do enrosco, a tendência de Ratinho Jr. é manter neutralidade no primeiro turno e se posicionar no segundo.

SINAIS PARTICULARES. Ratinho Júnior, governador do Paraná; por Kleber Soares

CLICK.Rodrigo Maia, recebeu em Brasília Yuval Harari, autor do livro Sapiens. A palestra marcou o lançamento do Projeto Modernizar, iniciativa para discutir o futuro.

Presidente, da Câmara, Rodrigo Maia e o escritor israelense Yuval Harari. Foto: Divulgação/Rodrigo Maia

Como é… O PSL bolsonarista, do qual Eduardo Bolsonaro (SP) é o líder de fato e de direito, também avalia obstruir todas as votações na Câmara dos Deputados, ao lado do Novo, Podemos e Cidadania, até que seja votada a PEC da prisão após segunda instância

.…que é? Na prática, pode atrapalhar projetos de interesse do próprio governo, como as importantes reformas em curso no Congresso. Por isso, Carlos Jordy (RJ) marcou audiência da bancada com o presidente na terça-feira para consultá-lo sobre o tema.

PRONTO, FALEI!

Para Orlando Morando, prefeito de SBC, o ABC é celeiro de diversidade de produtos, serviços e inteligência. Foto: Amanda/ Estadão

Do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB): ““Enquanto Lula ficou preso, a cidade de São Bernardo se libertou. Ele pode até ser o mesmo, mas São Bernardo do Campo é outra. E está muito melhor.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: