Centrão se fecha na defesa de Bolsonaro

Centrão se fecha na defesa de Bolsonaro

Coluna do Estadão

08 de agosto de 2020 | 05h00

Foto: Reprodução

Os novos aliados de Jair Bolsonaro no Congresso não se incomodaram com os depósitos da família Queiroz na conta da primeira-dama Michelle. Acostumado aos solavancos da opinião pública, aos trancos do Ministério Público e aos sacolejos da PF, o Centrão avalia que ainda é cedo para se mexer, seja no sentido de se afastar do Planalto ou no de dobrar a fatura no apoio ao governo. Ainda mais neste momento em que as sondagens mostram um presidente bem posicionado no jogo da reeleição. O sentimento, por ora, é: fica tudo como está.

Ainda… A revelação da revista Crusoé, porém, dá esperanças à oposição, mas no médio e longo prazos. Tudo vai depender das investigações. A percepção é de que o acordo de Jair Bolsonaro com o Centrão ainda impossibilita avanços rumo ao impeachment.

…pulsa. Iniciar um processo de impedimento agora seria garantir a Bolsonaro uma vitória política.

Taokey. O entendimento entre alguns juristas é de que a primeira-dama já pode virar ré, ao menos conforme um conceito usado pelo ex-juiz Sérgio Moro na Lava Jato: a teoria da cegueira deliberada.

Calma. Sobre o caso, o ministro do STF Marco Aurélio Mello adotou cautela. “Não é interessante em plena pandemia abrirmos essa porta (discussão de impeachment) e termos mais solavancos. A sociedade está muito sofrida”, afirmou.

Calculadora. Um observador atento fez as contas: a família Queiroz pagou o equivalente a 148,3 auxílios emergenciais a Michelle Bolsonaro. Ou 6,6 “lobos-guarás” por mês do “queirozduto” para a primeira-dama.

Assim falou… No fim de semana das 100 mil mortes pela covid-19, chegou a vez de a Coluna lembrar da frase de Lula sobre a pandemia, revelando que a luta política está acima de tudo para o líder petista.

…Luiz Inácio. “Ainda bem que a natureza (…) criou esse monstro chamado coronavírus porque esse monstro está permitindo que os cegos (…) comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”, disse Lula, em 20 de maio.

SINAIS PARTICULARES. 
Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República

Ilustração: Kleber Sales

Anotado. Em reunião com parlamentares, André Mendonça se comprometeu a divulgar a sindicância que está sendo feita na Justiça sobre a produção de dossiês com o colegiado.

Será? A avaliação no Ministério da Justiça é de que a explicação de Mendonça aos parlamentares apaziguou os ânimos em relação ao dossiê contra antifascistas. Consideram que o ministro conseguiu demonstrar a prerrogativa da pasta de obter tais informações.

CLICK. Líder da bancada paulista no Congresso, o deputado federa Vinicius Poit (Novo) ajudou na articulação para a entrega de 200 respiradores para hospitais de SP.

Coluna do Estadão

Xô, cacique. A Rede em São Paulo criou duas formas de distribuição dos recursos do Fundo Eleitoral sem ser pela mão dos dirigentes: via voto popular (eleitores vão escolher os agraciados) e por meio de edital para as campanhas mais criativas.

Marcado. Criado pelo empresário Paulo Zottolo, o Personalidades em Foco recebe segunda que vem (10/8), em live, Hamilton Mourão. O grupo já recebeu governadores como Ronaldo Caiado (GO) e Romeu Zema (MG), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Centro de Liderança Pública, Luiz Felipe D’Avila.

BOMBOU NAS REDES!

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Rodrigo Agostinho, deputado federal (PSB-SP): “Novos dados, nada de novo. A devastação na Amazônia avança num ritmo alarmante e ininterrupto. Crescimento de 34% no período de um ano, indicam dados do INPE. Contra dados, não há narrativa que se sustente”.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.