Centrão dá aval a Alckmin para criticar Michel Temer

Centrão dá aval a Alckmin para criticar Michel Temer

Coluna do Estadão

05 Setembro 2018 | 05h30

Candidato à Presidência Geraldo Alckmin e presidente Michel Temer. Foto: Gabriela Biló/Estadão

As críticas da campanha do tucano Geraldo Alckmin ao governo Michel Temer no horário eleitoral são incentivadas por dirigentes do Centrão. O grupo inclui partidos que ainda ocupam ministérios no atual governo ou que foram responsáveis por várias das políticas alvos de ataques do tucano. No PP, que tem Saúde e Cidades, lideranças justificam o aval: “Temer está muito desgastado e ninguém vai se chatear por isso. Faz parte”. No DEM, que controlou a Educação até abril, a avaliação é de que ou Alckmin se descola de Temer ou perde a eleição.

Vale tudo. Numa das inserções, Alckmin diz: “Lugar de jovem é na escola, mas com Dilma e Temer esse direito dos brasileiros foi ignorado”. Até abril, o ministro era Mendonça Filho (DEM), que tinha como sub Maria Helena Castro, ligada ao PSDB.

Para inglês ver. Mendonça Filho diz que Alckmin só pode estar se referindo à época em que Temer era vice de Dilma Rousseff. “Isso é peça de marqueteiro. Ele já até elogiou tudo de inovador que fizemos no governo Temer.”

Dois pesos. Se por um lado a artilharia de Alckmin tem o apoio da cúpula do Centrão, por outro enfrenta resistência de deputados que tentam a reeleição. Muitos estão se afastando do tucano temendo retaliação de prefeitos petistas ou de eleitores de Bolsonaro, outro alvo do tucano.

Nova conversa. Sepúlveda Pertence terá uma conversa com Lula na próxima semana. Ele tem deixado Cristiano Zanin tocar a defesa criminal do petista, por considerar impossível trabalharem juntos. O ex-ministro, porém, já descarta abandonar a causa.

Ação e reação. Não adiantou o PT retirar a candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco para ajudar Paulo Câmara (PSB). Liderança da sigla no Estado, o prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), anunciou apoio a Armando Monteiro (PTB).

O legado. O desfile de 7 de setembro deste ano, o último de Michel Temer, terá uma novidade. Um grupo de teatro vai interagir com o público falando sobre personagens da história do Brasil. Estarão fantasiados de D. Pedro I, Maria Quitéria, Tiradentes, Tarsila do Amaral, Zumbi dos Palmares e outros.

Sem… A Anatel publicou ontem no Diário Oficial autorização para as Forças Armadas utilizarem bloqueadores de sinal de drones durante os desfiles comemorativos de 7 de setembro e em Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

…voo. Além do uso comum de observação e filmagem, há drones que podem portar armas, justificando essa medida de segurança. Hoje, há GLOs no Rio de Janeiro, que está sob intervenção, e em Roraima, em crise por causa da imigração venezuelana.

CLICK. O senador Renan Calheiros (MDB) conversa com os petistas Lindbergh Farias e Paulo Rocha no plenário. Renan quer presidir o Senado caso se reeleja.

FOTO: Juliana Braga/Estadão

OS VICES

SINAIS PARTICULARES. Hamilton Mourão (PRTB), vice de Jair Bolsonaro (PSL); por Kleber Sales.

O velho ralo. Desde 2014, a UFRJ, que administra o Museu Nacional, consome em média 80% de seu orçamento com pessoal. O dinheiro vem em grande parte do MEC, mas a universidade tem autonomia para definir como gastar. Os dados são do Portal da Transparência da União.

Maioria. A troca de dois conselheiros da Comissão de Ética Pública no dia 27 de setembro, ambos indicados por Dilma, vai virar a maioria da composição para o lado de Temer. Hoje, há quatro indicados pela petista e três por Temer.

PRONTO, FALEI!

Paulinho da Força (SP) | Estadão

“O único problema se Fernando Haddad ganhar é que vai construir ciclovias na BR 101 até o Ceará”, DO PRESIDENTE NACIONAL DO SOLIDARIEDADE, PAULINHO DA FORÇA, criticando a marca que o ex-prefeito deixou em São Paulo.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E  JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao