Candidatos receberam doações do Bolsa Família

Candidatos receberam doações do Bolsa Família

Coluna do Estadão

20 de outubro de 2018 | 05h30

Foto: Divulgação

O governo identificou que 113 beneficiários do Bolsa Família fizeram doações a candidatos no 1.º turno da eleição. Um cruzamento revelou que pelo menos 12 deles transferiram valores superiores a R$ 1 mil. O Ministério do Desenvolvimento Social também encontrou 297 pessoas que dividem a mesma casa com beneficiários do programa e que foram contratadas para trabalhar em campanhas. Desses, 160 receberam mais de R$ 5 mil. Destinado à população em situação de extrema pobreza, o Bolsa Família paga R$ 89 como benefício básico.

Castigo. O ministro Alberto Beltrame, do Desenvolvimento Social, afirmou à Coluna que todos serão suspensos do programa cautelarmente até que se expliquem. Há suspeitas de que alguns possam ter sido usados como laranjas.

Pente-fino. Os nomes dos beneficiários estão sob sigilo. Confirmadas as fraudes, os dados serão divulgados. A Coluna localizou uma doação para o candidato ao governo do Pará, Helder Barbalho (MDB). Ele recebeu R$ 600 de uma mulher que ganha R$ 130 por mês do Bolsa Família.

Com a palavra. A campanha de Barbalho afirma ser “impossível identificar se o depositante é beneficiário de programa social” e diz que “provavelmente se trata de uma fraude engendrada por seu adversário”.

Cartão… A intenção de Jair Bolsonaro (PSL) de mudar nomes de programas sociais criados pelo PT já foi pensada no governo Temer. A ideia esbarrou no próprio presidente.

…vermelho. Temer não autorizou trocar o nome Bolsa Família por “Bolsa Dignidade” e substituir o Minha Casa Minha Vida por “Casa Legal”.

Quem te viu… Depois da derrota nas urnas e um breve recolhimento, Dilma Rousseff vai reaparecer na próxima semana. Ela é esperada em uma agenda de campanha com Fernando Haddad em Minas.

Ala vip. Aliado de Bolsonaro, o senador eleito Major Olímpio já escolheu o gabinete que deseja ocupar. Quer o que pertencia a Aloysio Nunes, no Anexo I, ala que abriga hoje nomes como Renan Calheiros.

SINAIS PARTICULARES. Major Olímpio, deputado federal e senador eleito (PSL-SP); por Kleber Sales.

Linha de tiro. Após o atentado a Bolsonaro, seus filhos Flávio e Eduardo passaram a usar colete a prova de bala em qualquer compromisso público. Nessa reta final da campanha, a preocupação com a segurança do presidenciável também aumentou.

Expert. Um dos coordenadores da campanha de Fernando Haddad, Franklin Martins administrou as mídias digitais da campanha de Dilma Rousseff em 2014. Anteontem, ele visitou Lula na prisão para discutir a reação à estratégia de comunicação de Bolsonaro.

CLICK. A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) diz não ter autorizado a equipe dela a chamar Bolsonaro de assassino no Twitter e alega ter apagado a publicação.

Os novinhos. Dos 56 deputados eleitos pelo PSL, 48 assumirão mandato pela primeira vez na Câmara. O levantamento foi feito pelo Diap. O partido de Bolsonaro ainda pode eleger três governadores no próximo domingo em Rondônia, Roraima e Santa Catarina.

Voto a voto. Após declarar voto em Bolsonaro, Carlos Eduardo (PDT) encostou na primeira colocada nas pesquisas no Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT).

PRONTO, FALEI!

Ex-ministro da Cultura e deputado federal eleito (PPS-RJ), Marcelo Calero. Foto: Dida Sampaio/Estadão

“A Lei Rouanet precisa ser atualizada, mas não demonizada. Se não fosse por ela, não haveria um museu aberto no País”, DO EX-MINISTRO DA CULTURA E DEPUTADO FEDERAL ELEITO (PPS-RJ), sobre as críticas de Bolsonaro à lei.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABOROU TÂNIA MONTEIRO

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.