Campanha do pacote anticrime tem nova data

Campanha do pacote anticrime tem nova data

Coluna do Estadão

20 de setembro de 2019 | 05h00

Ministro Sérgio Moro. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O ministro Sérgio Moro (Justiça) recalibrou o timing para o lançamento da campanha publicitária do seu pacote anticrime: será em 2 de outubro. A ideia é coincidir com a análise do tema no plenário da Câmara, onde Moro espera, com o apoio da opinião pública, reverter derrotas que sofreu no grupo de trabalho. As peças vão relatar casos reais de brasileiros prejudicados pela impunidade e duas delas, as que tratam de tribunal de júri e prisão em segunda instância, já estão prontas. A terceira, referente ao saidão de presos, está em produção.

Com… O GT da Câmara que analisou e alterou o texto enviado por Moro não obedece à regra de proporcionalidade dos partidos em sua composição.

…a digital. O governo espera reverter essas mudanças no plenário da Casa, onde o PSL tem uma das maiores bancadas e as votações podem ser nominais.

Esperança. Há expectativa de trazer de volta a prisão em segunda instância, o uso de agente disfarçado e a possibilidade de coleta do perfil de DNA para quem cometeu crimes violentos.

O olho do dono. O ministro Moro supervisiona a produção das peças pessoalmente e comandou reunião com sua equipe para passar o texto da terceira.

CLICK. O Tribunal de Justiça de SP apresentou ontem a Juss Band, no projeto Quintas no Museu (aberto ao público às quintas). A banda tem funcionários do TJ-SP.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Não foi troco. O pedido de busca e apreensão nos endereços do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, foi feito entre maio e junho, relata um investigador a par do processo. Antes, portanto, da fritura à qual o presidente Jair Bolsonaro submeteu a PF.

Infeliz coincidência. Mesmo atribuindo o timing a uma suposta letargia da ex-PGR Raquel Dodge em despachar o pedido, integrantes da Polícia Federal reconhecem que a operação de ontem volta a aumentar a temperatura da crise.

Só no… Pressionado por um grupo de senadores a instalar a CPI da Lava Toga, Davi Alcolumbre encontrou uma forma de justificar sua resistência.

…gogó. Alcolumbre tem afirmado que a CPI poderia gerar retaliações ao Senado e atrasar as agendas que interessam ao País, como a retomada do emprego.

Dá nada. No Congresso, há um clima de confiança de que Jair Bolsonaro não vai vetar absolutamente tudo na lei dos partidos (“fundão eleitoral”), como defendem os bolsonaristas mais inflamados nas redes.

Sandálias… O subprocurador Augusto Aras cancelou um jantar com a bancada baiana para o qual havia sido convidado.

…da humildade. Aras foi aconselhado por aliados a manter a “liturgia” da indicação e evitar eventos sociais que possam ser interpretados como celebração.

SINAIS PARTICULARES
Augusto Aras, indicado à Procuradoria-Geral da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Deu… A Coluna fez as contas: um assessor da Câmara precisaria trabalhar 57 anos para chegar aos R$ 2,5 milhões de cada cota vencedora do bolão petista da Mega-Sena. O cálculo é referente ao salário de um cargo CNE-15, R$ 3,6 mil, grau mais baixo de assessores em lideranças da Casa.

…bom. Acumular o valor seria mais fácil para assessores mais bem remunerados (R$ 19,9/mês): “apenas” dez anos e meio trabalhando sem gastar nenhum centavo para chegar aos dourados dos R$ 2,5 milhões.

PRONTO, FALEI!

Fábio Trad. FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Fábio Trad, deputado federal (PSD-MS): “Vejo colegas discordando do ministro Sérgio Moro, quase pedindo desculpas. Onde está nossa independência?”, sobre críticas a alterações no pacote anticrime.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU GUILHERME BIANCHINI

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: