Campanha de servidor público será fiscalizada em SP

Procuradoria quer saber se estão usando a licença remunerada a que têm direito para se candidatar como férias

Luiza Pollo

05 de junho de 2016 | 05h00

A Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo determinou aos promotores eleitorais que acompanhem com lupa as candidaturas de servidores públicos nas eleições municipais de 2016. A ordem é fiscalizar se os funcionários públicos estão efetivamente em campanha ou utilizando como férias a licença remunerada de três meses a que tem direito quando se candidatam. Os promotores eleitorais terão que fazer uma relação desses candidatos, verificar quantos votos tiveram e os valores relativos à arrecadação e gastos de campanha.

Os dados servirão para conferir se houve a realização mínima de atos de campanha. A não utilização do período de licença para atividades de campanha pode caracterizar enriquecimento ilícito do servidor.

No Estado de São Paulo, nas eleições de 2012 e 2014, respectivamente, 12% e 5,1% dos candidatos informaram à Justiça Eleitoral ter como ocupação o serviço público.

Siga a Coluna do Estadão:
No Twitter: @colunadoestadao
No Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: