Câmara vai gastar R$ 1,8 milhão em reforma de salas

Câmara vai gastar R$ 1,8 milhão em reforma de salas

Coluna do Estadão

08 Julho 2018 | 05h30

A Câmara dos Deputados vai gastar R$ 1,8 milhão com material de construção para a reestruturação do seu edifício principal. O projeto inclui uma sala para os líderes partidários se reunirem e a transferência de órgãos de comando da Casa para espaços mais nobres. No processo de reforma, está anexada a autorização do Iphan para instalar o gabinete do presidente no local onde funciona o Comitê de Imprensa. “A repaginação vai ser feita durante o recesso, nesse período de eleição, quando a coisa está mais devagar”, diz o primeiro-secretário, Giacobo (PR).

Troca tudo. No projeto, a justificativa é que “atividades não relacionadas ao Parlamento foram instaladas em espaços nobres”. É o caso do BB e da Caixa que serão desalojados para dar lugar as Terceira e Quarta secretarias.

Vai encarar? Embora conste no processo, o deputado Giacobo diz não saber sobre mudança no gabinete do presidente da Casa, hoje Rodrigo Maia (DEM-RJ). A troca é polêmica. O ex-presidente Eduardo Cunha também tentou desalojar o Comitê de Imprensa, mas sem sucesso. O local é cobiçado por ser o único que dá acesso direto ao plenário.

Carta na manga. Caciques do PSDB dizem contar com a ajuda do ex-presidente Fernando Henrique para tentar convencer o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) a abrir mão da disputa ao Planalto para o ex-prefeito João Doria.

SINAIS PARTICULARES. Geraldo Alckmin e Fernando Henrique Cardoso, pré-candidato do PSDB ao Planalto e ex-presidente; por Kleber Sales.

Na pressão. A estratégia é convencer líderes de partidos do Centro (DEM, PP, PR, PRB e SD) a dizer para Alckmin que só farão aliança com o PSDB caso ele passe o bastão a Doria.

Foi assim. O assunto troca já foi tema de reunião de Alckmin com o Centro. O presidenciável descreveu seu empenho para eleger Doria prefeito. Disse que depois o correligionário percebeu que a Prefeitura era um “pepino” e quis deixá-la.

No forno. A Operação Lava Jato em São Paulo se prepara para denunciar nos próximos dias Laurence Casagrande e Pedro Silva, ex-diretores da Dersa. Os dois estão presos acusados de suposto desvio e superfaturamento em obras do Rodoanel Trecho Norte.

Estratégia. Advogados eleitorais apostam que o Ministério Público entrará com pedido de impugnação da candidatura de Lula ao Planalto no dia seguinte ao registro. O prazo para ele se inscrever na disputa se encerra em 15 de agosto.

Jogo de paciência. Se até o dia 17 de setembro o TSE não impugnar a candidatura de Lula, a foto do petista estará na urna eletrônica mesmo que depois ele seja impedido de disputar.

Jeitinho. Uma alternativa aventada por advogados eleitorais para garantir a foto de Lula nas urnas é registrar inicialmente a candidatura de Fernando Haddad e substituí-lo por Lula às vésperas do prazo-limite para a troca de candidatos, também em 17 de setembro.

Para poucos. A Invepar abriu concorrência milionária para contratar agência de comunicação que vai atender suas onze empresas concessionárias na área de rodovias. Petros, Funcef e BB Fundo de Investimentos e Ações têm participação no grupo.

Com a palavra. Procurada, a Invepar informou que não comenta por que restringiu a lista de empresas convidadas a participar da concorrência nem o valor do contrato por se tratar de negócio sigiloso.

A SEMANA

Quarta-feira, 11

Comissão Mista de Orçamento deve votar a LDO de 2019

A intenção é levar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para ser aprovado pelo plenário do Congresso no mesmo dia.

Quarta-feira, 11

Partidos do Centro se reúnem para discutir novas alianças

Líderes de DEM, PP, PRB e Solidariedade podem decidir se apoiam os presidenciáveis Ciro Gomes ou Geraldo Alckmin.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão