Maia quer dificultar CPI para investigar acordos de governos petistas com Cuba

Maia quer dificultar CPI para investigar acordos de governos petistas com Cuba

Coluna do Estadão

03 de fevereiro de 2020 | 03h00

Dida Sampaio / Estadão

Apesar de cinco pedidos de abertura de CPIs estarem prontos para serem analisados na Câmara, não é prioridade da Casa tirar alguma delas do papel. A avaliação, na cúpula dirigente, é de que o objeto das comissões possui pouco “apelo político” e muito “apelo popular”. Em ano de reformas e de eleições, elas podem tumultuar o ambiente. As primeiras da fila tratam do aumento das passagens aéreas, as demais querem investigar pirâmides financeiras, relações entre Brasil e Cuba durante governos petistas e variações na conta de luz dos brasileiros.

Ata. Na avaliação de parlamentares, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também não querer arriscar com novas comissões que possam tirar o foco da CPI mista das Fake News, a de maior periculosidade para o governo. Procurado, por meio de sua assessoria, o presidente da Câmara disse apenas que vai avaliar as CPIs na volta do recesso legislativo.

Caixa… No caso da CPI Brasil-Cuba, a autora do requerimento, Paula Belmonte (Cidadania-DF), tem como alvo contratos entre os dois países e também acordos como o Mais Médicos. “Há muitas coisas obscuras nessa relação estabelecida nos governos do PT, como no caso do Porto de Mariel”, diz ela.

…preta. Membros da embaixada americana estiveram semana passada no gabinete da deputada interessados na instalação da CPI. Cubanos radicados nos EUA processaram o Brasil e a Opas por trabalho escravo no Mais Médicos.


CLICK.
Filipe Sabará (Novo-SP) com Deirdre McCloskey, economista que é referência no liberalismo e teve palestra cancelada na Petrobrás após crítica a Bolsonaro.

Será? Os autores das CPIs que tratam das passagens aéreas vão pedir a Maia para instalá-las neste ano, condensando-as em apenas umas. Apesar de as comissões terem apoio de quase 200 deputados, líderes avaliam que o assunto não é objeto para uma CPI.

Consequência. Para a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), as duas CPIs surgiram como reação de parlamentares das regiões em que a saída da Avianca do mercado reduziu em até 13% a oferta de assentos nas aeronaves.

A ver. O presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, afirma que essa queda na oferta já foi resolvida porque outras empresas assumiram os voos e trajetos da Avianca. Para ele não há motivo para a instalação das comissões de inquérito.

Ops. A solenidade de abertura do ano Judiciário nesta segunda-feira (3) tem tudo parar ser a torta de climão completa: ministros do Supremo Tribunal Federal, presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, e Sérgio Moro no mesmo ambiente.

Network. O ex-ministro José Eduardo Martins Cardozo, amigo de Dias Toffoli, é o advogado de Carlos Fávaro (PSD), que na sexta-feira obteve grande vitória na Justiça e assumirá esta uma vaga no Senado.

Network 2. Toffoli determinou que o terceiro candidato mais bem votado na eleição que elegeu Juíza Selma (Podemos-MT) assuma interinamente o mandato dela, cassada por abuso de poder econômico e caixa 2.

Rolê. O líder do PDT, André Figueiredo (CE), volta aos trabalhos na Câmara de um jeito diferente: “desceu” de carro até Brasília com amigos. Em um roteiro pouco ortodoxo, o grupo chegou a ir para o Maranhão, numa reserva indígena onde ouviu reclamações sobre a política indigenista do governo federal. O passeio durou uma semana.

BOMBOU NAS REDES!

Fernando Henrique Cardoso
Ex-presidente da República
“É pena ver o governo mergulhado em crenças atrasadas que podem prejudicar nosso destino”, em artigo publicado no Estado.


COM MARIANA HAUBERT E
MARIANNA HOLANDA. COLABOROU LUIZ MAKLOUF CARVALHO.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: