Câmara gasta R$ 563 mil para lavar carros oficiais

Câmara gasta R$ 563 mil para lavar carros oficiais

Coluna do Estadão

11 de agosto de 2018 | 05h30

 

Congresso Nacional. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Câmara dos Deputados gasta mais de meio milhão de reais por ano para lavar 83 carros oficiais. Por mês, a limpeza de cada veículo custa R$ 538 aos cofres públicos. A frota atende 19 deputados com cargos de direção e de outros departamentos. Até julho, o contrato com a Adjel Serviços era maior, de R$ 602 mil, mas um aditivo baixou o valor para R$ 563 mil. A firma mantém 11 funcionários, que se dedicam à tarefa. O negócio entre a Câmara e a empresa foi assinado em 2016, por um ano. Desde então, aditivos prorrogaram a vigência até 2019.

Baixa. O valor do contrato baixou em julho porque a empresa dispensou um lavador de carro. Em média, um Lava Jato cobra R$ 30 em Brasília.

Veja o contrato da Câmara com a J.Macedo Pereira (nome fantasia- Adjel Serviços)

Documento

Para poucos. Além dos deputados federais com cargos de comando na Câmara, também têm direito a carro oficial dois servidores: o diretor-geral e o secretário-geral da Mesa. A Casa possui seis veículos próprios e 77 locados.

Com a palavra. A assessoria de imprensa da Câmara informou que os veículos são usados, em sua maioria, para tarefas administrativas e que, até o momento, a contratada tem cumprido suas obrigações.

LEIA TAMBÉM: Deputados vão pedir fim de contrato de R$ 563 mil para lavar carros

Viver… Michel Temer planeja evento para comemorar a chegada da água ao Ceará pelo canal de Transposição do São Francisco até outubro. A agenda ajuda a popularizar seu candidato, Henrique Meirelles, na terra de Ciro Gomes.

…para vingar. Ciro e Temer travam duelo. Recentemente, o emedebista chamou o presidenciável de “pigmeu político” após ser acusado por Ciro de “ladrão” e “quadrilheiro”.

A propósito. Temer ligou para Alexandre Baldy (Cidades), durante as férias do ministro em Miami, para agradecer por ele ter ajudado a convencer Rodrigo Maia a apoiar Geraldo Alckmin e não Ciro Gomes.

Só barulho. A Valia, fundo de pensão dos funcionários da Vale, teve a sua terceira derrota na Justiça esta semana na tentativa de cobrar indenização da Petrobrás por ter investido na Sete Brasil.

Tente outra vez. O fundo pede R$ 318 milhões da petroleira. Mas o Tribunal de Justiça do Rio entendeu que a Petrobrás também é vítima. A Sete Brasil é alvo da Lava Jato.

Avisei. Em dezembro, o Tribunal de Arbitragem também negou. A Valia não respondeu ao contato.

CLICK. O debate dos presidenciáveis na Band foi visto 2.564.331 vezes no canal do YouTube. Já o do PT, transmitido pelo Facebook, registrou 220 mil visualizações.

Reprodução

 

Dada a largada. João Doria (PSDB), candidato ao governo de São Paulo, tem agenda com o deputado Celso Russomanno (PRB) em Guarulhos, segunda maior cidade do Estado, domingo, 12. Russomanno foi o deputado mais votado no município e abriu mão de disputar o governo para apoiar o tucano.

SINAIS PARTICULARES. João Doria, ex-prefeito e candidato ao governo de São Paulo; por Kleber Sales.

Forcinha. O deputado federal Floriano Pesaro (PSDB-SP) pediu ajuda ao senador José Serra (PSDB) para sua reeleição. Fora da disputa, Serra pode ir até a inauguração de obras.

BOMBOU NAS REDES!

Deputado Fernando Francischini (PSL-PR) FOTO: INSTAGRAM

“Não estranhei a ausência do Lula no debate da Band. Ele ficou preso em outro compromisso em Curitiba”, DO DEPUTADO FEDERAL FERNANDO FRANCISCHINI (PSL-PR), articulador de Jair Bolsonaro provocando petistas.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: