Calha Norte cresce e vira destaque como destino de verba do orçamento secreto

Calha Norte cresce e vira destaque como destino de verba do orçamento secreto

Mariana Carneiro, Lauriberto Pompeu, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

14 de maio de 2022 | 05h01

Pilotado pelo Ministério da Defesa, o Programa Calha Norte se expandiu nos últimos anos e hoje é um dos destinos preferidos das verbas de emendas parlamentares, inclusive as do chamado orçamento secreto. Neste ano, todo o Tocantins, além de mais 86 municípios do Pará, foi incorporado à área de cobertura do programa, que já atende todo o Norte, além de Mato Grosso e parte do Maranhão e de Mato Grosso do Sul. Deputados e senadores pretendem repassar ao Calha Norte R$ 284,6 milhões do orçamento secreto, mais do que havia sido reservado para as emendas parlamentares dedicadas à Defesa no início do ano. A alta demanda chamou a atenção de políticos e técnicos que lidam com o Orçamento.

Militares em atuação no Programa Calha Norte, na região amazônica. Foto: Divulgação/Ministério da Defesa

CRESCE. Esse número vai subir porque as emendas do orçamento secreto ainda estão sendo cadastradas. Em 2022, o Calha Norte aumentou em 40% o número de cidades atendidas – são 619. Expansão que lembra a da Codevasf, que sob Jair Bolsonaro chegou ao Amapá – longe do São Francisco, origem do programa.

QUERO. No sistema de cadastramento de emendas, teve até parlamentar querendo enviar verba para o Calha Norte em Estados não atendidos (até agora) pelo programa. É o caso de José Nelto (Podemos-GO) que quer enviar R$ 800 mil para a obra da prefeitura de Inaciolândia (GO).

RÁPIDO. No Calha Norte, o Exército pode fazer convênios direto com prefeituras, comprar equipamentos e até executar as obras. Procurada, a Defesa informou que compete aos parlamentares definir os valores, onde e quais obras serão feitas ou equipamentos adquiridos.

PRONTO, FALEI! Michel Temer, ex-presidente da República

“A única intenção de Lula é restabelecer o imposto sindical. Sendo assim, que não faça acusações a quem não retirou nenhum direito dos trabalhadores.” 

CLICK. Rodrigo Pacheco, presidente do Senado (União-MG)

Ao lado da presidente da AMB, Renata Gil, do governador da Bahia, Rui Costa, e dos ministros Luiz Fux e Dias Toffoli em congresso de magistrados na BA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.