Brasil desconvidou Cuba e Venezuela para posse

Brasil desconvidou Cuba e Venezuela para posse

Coluna do Estadão

17 de dezembro de 2018 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Por solicitação da equipe de Jair Bolsonaro, o Itamaraty enviou novos comunicados aos governos de Cuba e Venezuela os desconvidando de participar da cerimônia de posse do presidente eleito no dia 1.º de janeiro, em Brasília. Os termos são protocolares. A sinalização inicial foi chamar todos os países com os quais o Brasil mantém relações diplomáticas – razão pela qual o convite foi feito. Mas houve mudança de posição, o que levou o Itamaraty a enviar uma segunda comunicação aos governos dos dois países os desconvidando para a cerimônia.

Ops! O futuro chanceler Ernesto Araújo negou pelo Twitter, ontem, que o Itamaraty tenha convidado o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Os desconvites, porém, foram enviados às embaixadas dos dois países na semana passada.

Beijo, não me liga. Nos dois casos, os textos enxutos pediam que desconsiderassem a nota anterior. Sem explicações do recuo.

Truco. Já o convite foi publicado ontem no Twitter pelo ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, sete horas depois de o futuro chanceler negar que tenha sido feito.

Com amor. O comunicado dizia que a embaixada brasileira “tem a honra” de transmitir o convite para Maduro acompanhar a posse.

Dono da bola. O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, vai decidir monocraticamente até quarta-feira sobre o mandado de segurança 36169, que questiona se a eleição para a presidência do Senado deve ser em votação aberta ou secreta.

Os jogadores. A ação é acompanhada com apreensão no Senado. Interlocutores de Renan Calheiros (MDB), candidato mais forte, torcem para que o voto secreto seja mantido. Seu principal adversário é Tasso Jereissati (PSDB).

Lá e cá. Se Marco Aurélio decidir que a votação no Senado deve ser aberta, pode-se criar um cenário inusitado, em que os senadores votam de um jeito e os deputados federais, de outro.

Eu de novo. Há dois anos, Marco Aurélio concedeu liminar afastando Renan da presidência da Casa após o senador se tornar réu por peculato.

Desempate. A Primeira Turma do Supremo deve concluir nesta 3ª-feira o julgamento em que um exame de DNA pode absolver um homem condenado pelo crime de estupro no RS. Caberá ao ministro Luiz Fux definir o placar.

Reviravolta? A vítima reconheceu um homem como o autor do estupro, mas o sangue recolhido em uma colcha apontou que o material genético era de outro. O caso é considerado o mais relevante até hoje em que o banco de DNA pode ser usado para anular uma condenação.

CLICK. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) utilizou o perfil oficial no Instagram para dar dicas de uso correto da língua portuguesa aos usuários da rede social.

Crédito: Instagram CNJ/ Reprodução

Sem alcance. Mesmo que a Câmara dos Deputados aprove emenda constitucional que torna imprescritível o crime de estupro, a medida não atingiria João de Deus, pois não se aplica para crimes anteriores.

Uni-duni-tê. O superministro Paulo Guedes poderá despachar da Fazenda, Planejamento ou Indústria e Comércio. A aposta é que fique no prédio do Planejamento, que foi reformado.

 

SINAIS PARTICULARES — A SÉRIE

OS NOVOS MINISTROS

General Heleno, futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional; por Kleber Sales

 

PRONTO, FALEI!

Foto: Dida Sampaio/Estadão

“A notícia do não acordo do Mercosul com a UE diminui a relevância do nosso pacto nacional, nos isola e faz caminho inverso ao percorrido pelo Chile”, DO PREFEITO DE MANAUS, ARTHUR VIRGÍLIO.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM RAFAEL MORAES MOURA E AMANDA PUPO

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao