Bolsonaro vai à TV para explicar a reforma

Bolsonaro vai à TV para explicar a reforma

Coluna do Estadão

16 de fevereiro de 2019 | 05h00

FOTO: Dida Sampaio

Jair Bolsonaro vai usar a cadeia de rádio e TV na quarta-feira para explicar aos brasileiros a importância de atualizar as regras da aposentadoria. Com o público externo, o governo aposta no que considera ser a boa capacidade de comunicação do presidente – direta, sem rodeios – para começar a quebrar resistências à reforma da Previdência. Bolsonaro também participará da costura para dentro. Vai falar com a bancada de seu PSL e com líderes daquela que sonha ser um dia sua base aliada. Apenas PT, PSOL, Rede e PCdoB devem ser excluídos do evento.

Paquera. Apesar de PSB e PDT serem considerados partidos de esquerda, também foram convidados ao encontro. O PRB agradeceu, mas declinou. “Esse governo escuta por um lado e sai pelo outro”, diz o líder Jhonatan de Jesus.

Juntos. Major Vitor Hugo, líder do governo, contou que as mudanças da aposentadoria dos militares serão encaminhadas junto com as novas regras gerais.

Com… Na reunião que teve com Rodrigo Maia, o governador Wellington Dias pediu a regulamentação de fundos estaduais para lastrear o déficit da Previdência nos Estados até a reforma começar a surtir efeito nas contas públicas.

…pressa. Com isso, espera-se destravar os orçamentos estaduais para permitir novos investimentos. Comporiam o fundo receitas já devidas pela União, receitas dos próprios Estados, além de imóveis. Rodrigo Maia prometeu ajudar.

A história… Depois de Kátia Abreu (PDT-TO) ter retirado assinatura do pedido de criação da CPI da Lava Toga, o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) pediu para desarquivar projeto seu que proíbe essa prática.

…se repete. O texto de Dias foi apresentado em 2015, quando manobra semelhante impediu a abertura no Senado de CPIs para investigar os Correios e os empréstimos do BNDES.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

CLICK. Davi foi um dos políticos que tentaram ontem acalmar os ânimos entre os Bolsonaro e Gustavo Bebianno. Porém, a situação do ministro ainda é crítica.

Venha aqui. O senador Lasier Martins (Podemos) apresentou na CCJ pedido de audiência pública com o ministro Sérgio Moro para ouvir dele as prioridades da Justiça. O requerimento deve ser avaliado pela comissão na próxima semana.

Cadê? A Justiça de SP ficou quatro meses tentando intimar o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto em sua casa, no caso da ação que apura enriquecimento ilícito de Fernando Haddad. Vaccari está preso em Curitiba desde 2015.

Sério? Em outubro do ano passado, um oficial de Justiça da capital paulista chegou a escrever: “Ratifiquei informação recebida nas imediações e obtive confirmação de terceiros que o requerido encontra-se preso em Curitiba”. Somente em dezembro último a novela se resolveu.

SINAIS PARTICULARES

NOVOS LÍDERES DO CONGRESSO

Ivan Valente, líder do PSOL na Câmara

CRÉDITO: KLEBER SALES

Sextou 1. O quórum foi tão baixo ontem na Alesp que não reuniu as 12 assinaturas para abrir a sessão.

Sextou 2. Principal comissão da Assembleia paulista, a CCJ não tem previsão de funcionar antes de 15 de março. Motivo: não tem presidente nem vice para convocar as reuniões.

Sem GPS. O ministro Fernando Azevedo e Silva (Defesa) foi ao Palácio da Alvorada para se encontrar com Bolsonaro. Acontece que a reunião era no Planalto.

PRONTO, FALEI!

Iara Morselli/ESTADÃO

Fabio Tofic Simantob, Presidente do Instituto de Defesa do Direito de Defesa: “Presumir o advogado comparsa do cliente é a pior forma de subverter o sistema judiciário”, sobre a quebra de sigilo do ex-advogado de Michel Temer, Antônio Mariz.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU TEO CURY

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao