Bolsonaro sai da mira e se livra de novos pedidos de impeachment em janeiro

Bolsonaro sai da mira e se livra de novos pedidos de impeachment em janeiro

Camila Turtelli e Matheus Lara

06 de fevereiro de 2022 | 05h00

Câmara ficou um mês sem receber pedidos de impeachment contra Bolsonaro pela primeira vez desde janeiro de 2020. Foto: Adriano Machado/Reuters.

Pressionado pela disparada da inflação e pelo desemprego elevado, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem tido pelo menos um tipo de respiro no mundo político. Alvo de mais de 140 pedidos de impeachment desde que assumiu o mandato, ele saiu da mira ao longo dos primeiros 31 dias do ano. Janeiro foi o primeiro mês, desde janeiro de 2020, em que a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados não recebeu nenhum novo requerimento. Até agora, nenhum deles foi analisado pelo presidente da Casa, deputado federal Arthur Lira (Progressistas-AL), que tampouco os arquivou. O mais recente, protocolado em dezembro do ano passado, foi feito pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior.

DESÂNIMO. A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), autora de dois pedidos contra Bolsonaro, acredita haver um acordo para não pautar a abertura dos processos. “Bolsonaro se safou porque alugou uma base a preço de ouro e negociou sua sobrevivência na Presidência”, disse ela à Coluna. “Isso é uma vergonha mundial”.

ALTURA. O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) disse que não vai colaborar mais com a pilha de pedidos. “Eu simplesmente só não quero deixar o Lira mais alto na cadeira dele, porque ele já está sentado em cima de mais de 140 pedidos”, disse Frota.

AINDA NÃO COMEÇOU. Já o líder do PT na Câmara, Reginaldo Lopes (MG), acredita que o respiro é devido ao recesso. “Como o ano legislativo iniciou-se há poucos dias, possivelmente esta lista em breve vai aumentar”, afirmou.

TAXAS. A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo (Sefaz) realiza amanhã, 7, a cerimônia de posse dos novos juízes do Tribunal de Impostos e Taxas (TIT) para o biênio 2022-2023. O evento será virtual. O auditor fiscal da Receita Estadual Argos Campos Ribeiro Simões será o presidente do tribunal.

CO2. O cientista político e pré-candidato do Novo à Presidência, Felipe d’Avila, apresentou ao cônsul dos EUA para Assuntos Políticos e Econômicos do consulado em São Paulo, Jonathan Austin, sua proposta de reduzir a emissão de carbono no Brasil.

OLHO NO VERDE. “Mostrei ao cônsul que somos o único projeto que traz essa tendência mundial, de uma economia voltada à fixação do carbono, e com metas sérias de redução de desmatamento”, disse Felipa d’Avila à Coluna.

CLICK. Michel Temer, ex-presidente da República

Emedebista tem feito campanha pelo semipresidencialismo nas redes sociais. “É o melhor sistema em termos de governabilidade e harmonia”, disse.

FIM DE… Com o fim do recesso legislativo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), deve colocar em prática seu plano de criar um grupo de trabalho para debater o semipresidencialismo no Brasil.

…FÉRIAS. Na reabertura dos trabalhos do Congresso, Arthur Lira, que já ameaçou em outros tempos fazer uso dos “remédios amargos” do Congresso, falou agora sobre enfrentar o desemprego e a inflação “sem truques ilusionistas ou aventuras temerárias”.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Arthur Lira, presidente da Câmara (PP-AL)

PRONTO, FALEI! Marina Helou, deputada estadual (Rede-SP), após Eduardo Bolsonaro associar acidente na marginal Tietê a contratação de mulheres.

“O ano é 2022 e ainda temos que aturar políticos misóginos e machistas falando que o erro da concessionária é responsabilidade das mulheres. Até quando?”

ALBERTO BOMBIG ESTÁ DE FÉRIAS E RETORNA À ‘COLUNA DO ESTADÃO’ NO DIA 16 DE FEVEREIRO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.