Bolsonaristas discutem plano B enquanto Aliança não sai do papel

Bolsonaristas discutem plano B enquanto Aliança não sai do papel

Coluna do Estadão

23 de novembro de 2019 | 05h00

Bolsonaristas com Jair Bolsonaro em reunião sobre Aliança pelo Brasil. Foto: Carolina Antunes

O grupo de deputados do PSL que vai migrar para o novo partido de Jair Bolsonaro já começa a discutir um plano B enquanto o Aliança pelo Brasil não sai do terreno das intenções. Como está precificada a punição deles com suspensão, mas não com expulsão, o receio desses parlamentares é permanecer “sangrando” nas mãos de Luciano Bivar e seus aliados, sem cargos e vaga em comissão. A alternativa talvez seja passar uma curta temporada de transição em outra sigla. Porém, a possibilidade é vista como muito arriscada pela cúpula do Aliança.

Calma, galera. Uma espécie de transição partidária quando há a criação de uma sigla tem precedente, mas o debate não está definido na Justiça. A melhor hipótese, ao menos juridicamente, avaliam, é aguentar o tranco no PSL e rezar para o processo do Aliança andar rápido no TSE.

Tábua de salvação. Os deputados mais angustiados na Câmara citam como possibilidade de sigla temporária o Patriotas, o Podemos e até o PRP. Mas avaliam que seria difícil ter espaço como protagonistas nesta situação.

Última que morre. O deputado Capitão Augusto (PL-SP) tem esperança de que o plenário da Câmara recupere “o máximo possível” do conteúdo original dos projetos anticrime de Sérgio Moro. Enfrentará resistências, no entanto.

#chateado. Nesta semana, Moro reclamou que seu pacote foi desidratado e pediu a retomada de alguns temas, como a medida que permite o uso de agentes policiais disfarçados para interagir com criminosos.

CLICK. Jair Bolsonaro segura broche do Flamengo, que ele usou em evento no Rio. O presidente disse que vai torcer por uma vitória do clube hoje em Lima.

UESLEI MARCELINO / REUTERS

Vermelho… A volta do Flamengo a uma final de Libertadores após 38 anos do título de 1981 deixou Brasília rubro-negra nesta semana. No Congresso houve até sessão solene em homenagem ao clube.

…e preto. No STF, o ministro Marco Aurélio Mello desistiu de ir até Lima acompanhar o jogo, mas “enviou” um de seus filhos. O governador do DF, Ibaneis Rocha, tirou licença e foi com a família inteira para a capital peruana.

‘Diplomatas’… Cinco dias antes da invasão da embaixada da Venezuela no Brasil por apoiadores de Juan Guaidó, o Itamaraty disse, em resposta a um requerimento de informação do PSOL, que os adversários do ditador Nicolás Maduro estão no Brasil na “qualidade de representantes diplomáticos credenciados”.

…de Guaidó. O Ministério das Relações Exteriores listou todas as reuniões da “embaixadora” María Teresa Belandria e de seus aliados com membros do Itamaraty: 27 no total, sendo que a última ocorreu no fim de setembro.

SINAIS PARTICULARES: Os Candangos, escultura de Bruno Giorgi, na Praça dos Três Poderes (Brasília)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Durou… Apenas seis meses após ter anunciado a redução de 30% no valor dos contratos de varrição da capital, a Prefeitura de SP acaba de reajustá-los em 10% para tentar evitar um colapso no serviço.

…pouco. O sindicato que reúne as empresas do setor chegou a entrar na Justiça contra a concorrência, vencida por seis consórcios que agora estão com a língua de fora para cumprir a meta de varrer quase 250 toneladas diárias de lixo.

PRONTO, FALEI!

Foto: Sérgio de Castro/Estadão

Major Olímpio (PSL-SP), senador: “Bolsonaro está embarcando em um Titanic que
tem tudo para naufragar na primeira viagem. Não há bote salva-vidas para todos”, sobre o Aliança pelo Brasil. 

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

 

Tendências: