Bolsonarismo tem nova ‘líder’ em SP: Zambelli

Bolsonarismo tem nova ‘líder’ em SP: Zambelli

Coluna do Estadão

07 de junho de 2020 | 03h00

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Alçada recentemente a peça importante em investigações sobre o governo, Carla Zambelli superou Eduardo Bolsonaro em popularidade digital entre os deputados federais de São Paulo. Segundo índice da Quaest, desde o rompimento de Joice Hasselmann com o presidente, em outubro de 2019, Zambelli galga posições em ranking elaborado pela consultoria. Em maio, após ter sido tragada para o olho do furacão provocado pela saída de Sérgio Moro da Esplanada, a controversa Zambelli amealhou mais seguidores e mais abrangência nas redes.

 

Xadrez. Fidelíssima até aqui a Jair Bolsonaro, Carla Zambelli (PSL-SP) não hesitou em abandonar seu ex-padrinho Moro para assumir uma defesa inconteste do presidente. Ela está arrolada em duas investigações sensíveis ao Planalto: suposta intervenção na PF e fake news.

Ponta. Durante 18 meses, Eduardo foi o líder do ranking feito com base no Índice de Popularidade Digital (IPD) entre os deputados federais paulistas.

Análise. “A fidelidade do fã-clube bolsonarista é tão alta que é capaz de mover popularidade de um ex-aliado para um novo, de forma coordenada e integrada. Tudo o que a Joice perde, desagua na Zambelli desde então”, afirma Felipe Nunes, cientista político e diretor da Quaest. O IPD é calculado usando algoritmo de inteligência artificial e métodos para fugir dos robôs.

Bolsonarismo… Outro estudo que ajuda a explicar a resiliência do bolsonarismo é o da Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil. Ele indica que, apesar do crescente desgaste de Jair Bolsonaro, mesmo seus apoiadores autodeclarados “desiludidos” se dizem dispostos repetir o voto no presidente em 2022 por “falta de alternativa”.

… em crise? As pesquisadoras Esther Solano (Unifesp) e Camila Rocha (Cebrap) selecionaram para entrevistas três grupos de eleitores de Jair Bolsonaro: fiéis, críticos/desiludidos e arrependidos.

Opção. Entre os arrependidos, alguns citam o ex-juiz federal Sérgio Moro como alternativa eleitoral. Outros dizem que anulariam o voto. Apenas duas eleitoras arrependidas afirmam que votariam até no PT para evitar nova eleição de Jair Bolsonaro.

Calcanhar. O maior ponto de desgaste de Jair Bolsonaro entre os três grupos pesquisados é o comportamento dele diante da pandemia da covid-19, considerado “desrespeitoso”. Outro destaque: a percepção de que os filhos do presidente são fator de instabilidade. A pesquisa foi feita entre 9 e 18 de maio, em São Paulo.

Até quando? Desde o início da pandemia, Jair Bolsonaro já cavalgou, pilotou jet ski, comeu pastel em feira, participou de manifestação e praticou tiro. Mas ainda não visitou, seja em hospital ou unidade de saúde, os doentes da covid-19 e os profissionais obstinados em salvar vidas.

‘Teorização… No afã de questionar o uso de recursos públicos pela Prefeitura de São Paulo, Coronel Telhada (PP-SP) relembrou o personagem Odorico Paraguaçu (de Dias Gomes).

…e praticação’. Ao visitar o hospital de campanha do Anhembi, o deputado estadual deixou escapar um “infelizmente, está tudo vazio”. Odorico sofria porque queria inaugurar um cemitério, mas, para desespero do prefeito, ninguém morria na fictícia Sucupira.

CLICK. Mais um exemplo de como o governo negligencia o princípio da impessoalidade na propaganda: ação personalizada no presidente e no ministro Pontes.

PRONTO, FALEI!
Nelson Trad
senador (PSD-MS)
“Pode ser verdadeira a declaração. Não temos disciplina para observar o rigor ao isolamento”, sobre Donald Trump ter dito que Brasil é mau exemplo na pandemia.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: