Base cobra de Temer que reconheça erros e faça pessoalmente sua defesa na Câmara

Base cobra de Temer que reconheça erros e faça pessoalmente sua defesa na Câmara

Luiza Pollo

05 de julho de 2017 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Deputados que estão em dúvida sobre autorizar ou não a abertura de processo contra Michel Temer dizem que vão tomar uma decisão depois de ouvir a defesa do presidente. Por essa razão, um grupo de governistas já defende a ida dele à Câmara para apresentar pessoalmente sua versão dos fatos em vez de mandar seu advogado. As apostas são de que, se o próprio presidente admitir que cometeu um erro ao receber tarde da noite e fora da agenda seu algoz Joesley Batista, ele conseguirá convencer indecisos e virar votos contrários a ele.

Tarde demais. Dilma Rousseff fez sua defesa no processo de impeachment pessoalmente no Senado e foi elogiada até pela oposição. Na época considerou-se que, se tivesse tomado a iniciativa antes, seu destino poderia ter sido outro.

Prazos. Temer deve enviar hoje sua defesa à CCJ. Terá outra chance de fazê-la no plenário. Sua disposição é de delegar a tarefa ao seu advogado.

Currículo. Relator da denúncia contra Michel Temer na CCJ, Sergio Zveiter (PMDB-RJ) já pediu a cassação dos mandatos de André Vargas e Natan Donadon.

Meu mestre. Faixa preta em Jiu-jítsu e surfista, Sergio Zveiter diz a quem perguntar que “seu presidente” é Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Fazendo red. Para não ficar mal com Rodrigo Maia, deputados têm evitado declarar apoio a Michel Temer. Acham que, se Temer for afastado, sairão na frente para ganhar a simpatia do novo presidente.

Enfim sós. A deputada Christiane Yared (PR-PR) foi recebida ontem por Temer 20 dias após solicitar a agenda. Ela pediu ajuda para levar uma filial do Hospital Sarah para o Paraná.

Insensível. Temer pegou o telefone e intermediou um encontro dela com o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Mesmo assim, Yared diz que não muda seu voto a favor da denúncia contra o presidente.

Alerta ligado. O governo comemorou a vitória na aprovação da urgência da reforma trabalhista, mas considerou baixo o placar de 46 votos contra 19. O Planalto esperava chegar pelo menos a 48 votos.

Passou recibo. Tucanos paulistas gostaram de ver Lula pedir que seus aliados batam em Geraldo Alckmin em vez de criticarem João Doria. Acham que o petista reconheceu quem é seu maior obstáculo.

Timing. O vice-governador de Minas e presidente do PMDB no Estado, Antônio Andrade, desembarcou ontem em Brasília, mesmo dia em que seu correligionário Rodrigo Pacheco indicou o relator da denúncia contra Temer na CCJ.

Patota. Andrade almoçou com o deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG) e o ex-vice-presidente da Cemig Mateus de Moura Lima, demitido pelo governador Fernando Pimentel (PT), o que contrariou o PMDB local.

Ajuda Temer. O vice tenta emplacar Mateus Lima num cargo no governo federal. Até dois meses atrás, ele estava lotado no gabinete do deputado Rodrigo Pacheco.

CLICK. Escolhida para substituir Janot na PGR, Raquel Dodge foi ao Senado ontem e se apresentou ao relator da sua indicação na CCJ, Roberto Rocha (PSB-MA).

Ser… Está combinado que o diretor-geral da PF, Leandro Daiello, vai referendar o nome do seu substituto. O Palácio do Planalto só não sabe ainda se vai querer divulgar essa informação ou mantê-la sob sigilo. A troca na PF foi antecipada pela colunista Eliane Cantanhêde.

Ou não ser… O governo tem dúvidas porque se confirmar o aval passará o recado de que não terá o controle da Polícia Federal.

Circuito. O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) visitou ontem o irmão Geddel Vieira Lima na prisão. No mesmo dia ele se reuniu com Michel Temer no Palácio do Planalto.

Sinais Particulares: Geddel Vieira Lima, por Kleber Sales

PRONTO, FALEI: 

Deputado Marco Maia (PT-RS) 

“Faltou combinar com os vermelhinhos”, sobre o cronograma de votação da denúncia contra o presidente Michel Temer prever que ela será votada até 17 de julho.

Tudo o que sabemos sobre:

TemerDenúnciazveiterRodrigo Maiageddel

Tendências: