Barroso quer Congresso ativo em discussão sobre fake news no Telegram

Barroso quer Congresso ativo em discussão sobre fake news no Telegram

Camila Turtelli e Matheus Lara

22 de janeiro de 2022 | 05h00

O presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso. Foto: Carlos Moura/STF.

Apesar do empenho nas tentativas de buscar uma cooperação com o aplicativo Telegram no combate à desinformação, o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), vê como ideal que o assunto seja tratado pelo Congresso Nacional. “Na volta do recesso parlamentar vou levar o tema aos demais ministros. Qualquer posição nessa matéria deve ser institucional, do Tribunal, e não do Presidente. Pessoalmente, no entanto, acho que o ideal seria o Congresso Nacional cuidar disso”, disse o ministro à Coluna. À frente da Corte eleitoral até fevereiro, Barroso tenta conter a tempestade de fake news que se forma com a proximidade das eleições deste ano.

VÁCUO. O TSE procurou a direção do Telegram para discutir o assunto, mas não teve resposta. Agora, a Corte avalia a possibilidade de vetar o aplicativo nas campanhas eleitorais.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Luís Roberto Barroso, presidente do TSE

MUDOU. Planos futuros de um “grande projeto” tiraram Patrícia Ellen da coordenação do programa de governo do pré-candidato à Presidência da República João Doria (PSDB). A secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo se prepara para um desafio na iniciativa privada com previsão de início no próximo ano.

AMIGÃO. Ontem, a campanha de João Doria divulgou que Rodrigo Maia, ex-presidente da Câmara dos Deputados e atualmente no cargo de secretário estadual de Projetos e Ações Estratégicas do Estado de São Paulo, aceitou o desafio de fazer a coordenação do projeto tucano ao Planalto.

CLICK. Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia

Astronauta posou ao lado da assessora Christiane Corrêa em exposição com seus próprios trajes da Missão Centenário, na qual foi para o espaço.

FAZ ASSIM. O Greenpeace preparou uma lista de sugestões que será apresentada a governadores para cobrar ações de enfrentamento de eventos climáticos extremos, como as chuvas recentes na Bahia, Minas Gerais e Maranhão.

FAZ ASSIM 2. As principais metas propostas em caráter de urgência são: criar planos estaduais de adaptação climática, mapear áreas de vulnerabilidade e riscos em escala regional e viabilizar recursos para o caso de perdas e danos materiais de famílias impactadas.

DIAGNÓSTICO. De Rodrigo Jesus, do Greenpeace: “A crise aprofunda os impactos das enchentes, alagamentos, do calor extremo, dos vendavais e de outros episódios que se estenderão pelos próximos anos. A responsabilização das esferas públicas é necessária e ações precisam conversar com a realidade dos territórios”.

AGILIZA… A deputada estadual Marina Helou (Rede-SP) pediu à Anvisa urgência na análise do uso da Coronavac para crianças a partir de três anos. O órgão aprovou o imunizante esta semana a partir dos seis anos de idade.

… AÍ. “A vacina já é usada em crianças a partir dos três anos em diversos países. Outro benefício é a possibilidade de aproveitar os estoques já disponíveis em todos os estados”, disse a deputada.

PRONTO, FALEI! Pedro Hallal, epidemiologista

“As fotos das crianças se vacinando estão enchendo as redes sociais de fofura. Está cada vez mais difícil para aqueles que defendem a morte e a anticiência”

ALBERTO BOMBIG ESTÁ DE FÉRIAS E RETORNA À ‘COLUNA DO ESTADÃO’ NO DIA 16 DE FEVEREIRO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.