Bancadas regionais na mira dos articuladores

Bancadas regionais na mira dos articuladores

Coluna do Estadão

02 de abril de 2019 | 05h00

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: Alan Santos/PR

Seguros de que Jair Bolsonaro iniciará nesta semana as sonhadas conversas com os presidentes de partidos, auxiliares do presidente na articulação buscam também convencê-lo a adotar uma agenda periódica com bancadas regionais do Congresso. Na visão desses interlocutores, a porta aberta aos dirigentes partidários representará o reconhecimento da política como instrumento para governar. Mas, sozinha, não deverá ser suficiente para evitar que a reforma da Previdência seja desfigurada. Portanto, a ideia é pavimentar todos os caminhos possíveis.

Fé. Fora do grupo dos confiantes, os mais céticos já dizem que, se Bolsonaro voltar do exterior disposto a criar e manter os canais periódicos de diálogo com bancadas e líderes de partidos, Brasília estará diante do “milagre de Israel”.

Republicanos. Nessas conversas com grupos maiores de interlocutores, os conselheiros de Bolsonaro esperam que os temas sejam em torno de pautas e de projetos e não se centrem em cargos e emendas.

Já. A ideia é agilizar as articulações antes dos trabalhos da Comissão Especial, onde será analisado o mérito da proposta de reforma.

Dentro. Já confirmaram presença os presidentes de DEM, MDB, PSDB, PSD, PRB e PP, junto com líderes na Câmara e Senado. Serão recebidos na quinta e sexta-feira, mas outros ainda devem ser chamados. O Solidariedade está na fila.

Viés… Pesquisa da consultoria Arko Advice mostra queda na avaliação do presidente entre deputados federais. Saiu de 22,95% em fevereiro para 33,95% em março o porcentual de quem avalia o governo Jair Bolsonaro ruim ou péssimo.

…de queda. Em meio ao fogo cruzado de Rodrigo Maia e Bolsonaro, 60,55% avaliaram a relação entre o Executivo e o Legislativo como péssima. O levantamento foi feito com 109 deputados de 25 partidos entre 26 e 28 de março.

Sinal amarelo. Outro mau sinal é para a reforma: caiu o número dos deputados que defendem a Previdência (68,8% para 55,96%) e a maioria deles acha o projeto dos militares ruim ou péssimo (59,64%).

SINAIS PARTICULARES
Raquel Dodge, procuradora-geral da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Pra quê?. Apesar de os militares concordarem no mérito, soou fora de tom nos altos escalões das Forças o vídeo do Palácio do Planalto sobre o 31 de Março. Desgaste desnecessário, avaliaram. Também pegaram mal as declarações do chanceler Ernesto Araújo.

Distância. O procurador José Robalinho afirma que não participará amanhã da definição das regras da lista tríplice para a sucessão de Raquel Dodge na PGR. Se não for candidato, Robalinho apoiará alguém abertamente. Hoje ele preside a associação da categoria.

CLICK. O ex-ministro Carlos Marun visitou o embaixador da Palestina, Ibrahim Alzeben. Disse que a solução encontrada por Bolsonaro para a embaixada foi “razoável”

FOTO: CARLOS MARUN/ARQUIVO PESSOAL

Sucupira. “Emborasmente” esteja acostumado às citações eruditas, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, recorreu à cultura pop em evento no Estado. Ao se referir ao passado, soltou um “pratrasmente” à moda do personagem Odorico Paraguaçu, de Dias Gomes. A plateia riu alto.

Com a palavra. A Eletrobras afirma que, apesar dos R$ 15 milhões reservados no orçamento para os salários da cúpula, o reajuste proposto é de 15,7%. O do presidente, por exemplo, sairia de R$ 52 mil para R$ 76 mil mensais.

PRONTO, FALEI!

Murillo de Aragão. FOTO: HELVIO ROMERO/ESTADÃO

Murillo de Aragão, cientista político cotado para a embaixada de Washington: “É uma medida pragmática, que atende a histórica ligação do Brasil com Israel e não desagrada inteiramente a países árabes”, sobre escritório em Jerusalém.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao