Bancada feminina quer garantir vagas em distritão na reforma política

Bancada feminina quer garantir vagas em distritão na reforma política

Coluna do Estadão

10 de junho de 2021 | 05h00

Foto: Câmara dos Deputados

Com o “distritão” cada vez mais forte para avançar na reforma política na Câmara dos Deputados, a bancada feminina quer cadeiras reservadas pelo novo sistema. Próxima de Arthur Lira (PP-DF), Celina Leão (PP-DF) está à frente da articulação. Como o “distritão” prevê que apenas os mais votados em Estados ou municípios serão eleitos, as deputadas buscam garantir uma porcentagem das vagas para as mulheres. Apesar de pleitearem 50%, é mais provável que consigam 30%: ou seja, se existirem dez vagas, por exemplo, três serão femininas.

Não! “É inadmissível ter ‘distritão’ sem cadeiras efetivas para mulheres. As deputadas querem fazer discussão do tema, mas não abrimos mão de termos crescimento da bancada feminina”, disse Leão à Coluna.

Janela. A ideia enfrenta resistência de dirigentes partidários, mas Lira, segundo relatos, entende que, se houver mesmo o “distritão” (no qual não são levados em conta os votos para o partido ou a coligação), será necessário algum ajuste para contemplar deputadas.

Eita! “Se depender dos grandes partidos, aceitaríamos 10% de cadeiras. Hoje, já temos cerca de 15%, seria um retrocesso baixar esse porcentual. Não vamos aceitar”, afirmou Perpétua Almeida (PCdoB-AC)

Siga… No Tribunal de Contas da União, mais do que a convocação do servidor Alexandre Figueiredo Costa Silva na CPI da Covid, é esperada a quebra de sigilos dele. O requerimento com a solicitação deve ser analisado hoje, 10.

…o zap. A quebra do sigilo telefônico e telemático de Silva pode apontar possíveis elos dele com o Planalto e esclarecer como o suposto documento chegou às mãos do presidente.

Help! Em ofício à CPI da Covid, Markinhos Show pediu que seu sigilo não fosse quebrado e disse: “A agressiva e invasiva quebra de sigilo sem que antes a CPI tenha me ouvido e sem motivos específicos (não genéricos) configura excessiva medida”.

Pode reparar. Num dia de péssimas notícias sobre a alta da inflação, Bolsonaro falou de fraude em eleição, atacou a China, etc. Haja cortina de fumaça…

Fechou. Augusto Aras foi informado de que o escolhido por Jair Bolsonaro para o STF é o “terrível” André Mendonça (AGU).

Inferno… Depois de ter levado suspensão de seis meses, o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) terá outro caso analisado já na próxima semana no Conselho de Ética: gravou reunião fechada do PSL em 2019.

…astral. O relator Alexandre Leite (DEM-SP) apresentou ontem seu parecer. “Deputados que foram eleitos com uma visão deturpada do Parlamento precisam entender que as suas condutas podem ter consequências. É o que temos visto nesta Legislatura”, disse.

CLICK. Indígenas protestaram em frente ao Congresso contra o projeto de lei que ameaça a demarcação de suas terras. O projeto deve ser votado hoje na CCJ.

DIVULGAÇÃO/CIMI

SINAIS PARTICULARES.
Heni Ozi Cukier, Deputado estadual (Novo-SP)

Kleber Sales

Asa… Após ter emplacado projetos importantes na pandemia, como o que pune o fura-fila da vacinação, o deputado estadual Heni Ozi Cukier (Novo-SP) busca voos mais altos em: quer disputar vaga no Senado.

…delta. “A Constituição legou grande importância ao Senado. Pena que políticos insistam em usá-lo só como banco de reservas para outras disputas”, disse.

Eu não. Questionados por jornalistas, integrantes da comitiva brasileira que visitou os EUA nesta semana disseram que não receberam a vacina contra covid-19 na capital americana, onde qualquer um pode se vacinar em farmácias. “Eu não vim para tomar vacina”, disse Fábio Faria, ministro das Comunicações. Ele não soube assegurar, no entanto, se alguém da comitiva agiu diferente.

Nem eu. Na mesma coletiva de imprensa, Flávio Bolsonaro também garantiu não ter recebido vacina nos EUA. O ministro do TCU, Raimundo Carreiro, tirou de uma pasta a carteira de vacinação do Brasil, para garantir que fez sua imunização nacionalmente.

PRONTO, FALEI!

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Aécio Neves, Deputado e presidente da Creden (PSDB-MG): “O tom depreciativo que reproduz uma visão colonialista, atrasada e superada da História merece repúdio”, sobre declaração do presidente Alberto Fernández.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM JULIA AFFONSO E PEDRO VILAS BOAS.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.