Bancada evangélica permanece fiel a Bolsonaro

Bancada evangélica permanece fiel a Bolsonaro

Coluna do Estadão

02 de abril de 2020 | 05h00

Foto: Arquivo Pessoal

Em célere caminhada rumo ao completo isolamento político, Jair Bolsonaro ainda pode contar com a bancada evangélica. Embora discorde da forma como o presidente expõe suas ideias, em linhas gerais e ao menos por enquanto, o grupo ainda concorda com boa parte do conteúdo da pregação bolsonarista, principalmente em relação à defesa do isolamento vertical. Segundo o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), a condução da crise até aqui por Bolsonaro “não abala em nada a relação com o presidente”. “Ele tomou decisão de risco”.

Curti. A edição do decreto presidencial liberando as igrejas da quarentena foi lido pelos evangélicos como um gesto de boa vontade de Bolsonaro. A Justiça, porém, barrou a medida.

Vazio. Líderes religiosos têm expressado preocupação com a economia. Uma das queixas se dá justamente pela queda no recebimento de ofertas e dízimos.
Xi… As bancadas do Boi e da Bala, que formam com a da Bíblia, a tríade bolsonarista no Legislativo, já dão sinais de distanciamento em relação ao presidente.

Kinder Ovo. O projeto de lei apresentado pelo ministro Dias Toffoli e “adotado” pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG) traz uma surpresa no artigo 13º: libera o arrendamento de terras, até 30 de outubro, por empresas de capital majoritariamente estrangeiro.

Difícil rolar. Senadores ouvidos pela Coluna veem nesse ponto uma “forçação de barra”. O tema é tão polêmico que até hoje não avançou projeto do senador Irajá Abreu (PSD-TO), que facilita a aquisição de terras rurais por estrangeiros.

CLICK. Pré-candidato a prefeito de SP pelo Novo, Filipe Sabará (o terceiro da esq. para a dir.) entrega álcool em gel em um centro de acolhida para a população de rua.

Coluna do Estadão

Ainda bem. Apesar das críticas do ministro da Justiça, Sérgio Moro, à recomendação do CNJ de liberar presos do “grupo de risco”, secretários estaduais dizem que, na prática, ainda não foram registrados grandes “saidões”, como temiam.

De olho. O presidente do CNJ, Dias Toffoli, recebeu carta elogiosa à medida, enviada pela ONG estrangeira Associação Para a Prevenção da Tortura. “Salvaguardar a saúde pública e salvar vidas é o objetivo final, que não pode ser mitigado por qualquer outro.”

Ligados… Poucas horas depois do panelaço durante pronunciamento de Bolsonaro em rede nacional, as janelas voltaram a ficar agitadas nos grandes centros: eram as “comemorações” por uma eliminação do Big Brother Brasil (TV Globo).

…na telinha. O programa refletiu a polarização do País. O motivo? Eduardo Bolsonaro (PSL) tentou, nas redes sociais, defender Felipe Prior, que acabou eliminado pela “esquerdista” Manu Gavassi. Na manhã seguinte, Fernando Haddad (PT) celebrou a saída do “brother”.

SINAIS PARTICULARES.
Fernando Haddad e Eduardo Bolsonaro, ex-prefeito e deputado federal, respectivamente.

Ilustração: Kleber Sales

Juntos… A Câmara Municipal de São Paulo retoma hoje os trabalhos das comissões permanentes, as sessões e as deliberações de projetos da pauta.

…mas… A Casa seguirá utilizando o plenário virtual criado por Eduardo Tuma (PSDB), com acréscimo de um sistema de videoconferência que permitirá debates em tempo real.

…separados. O distanciamento social segue mantido, conforme as orientações das autoridades de saúde. As sessões presenciais ainda estão suspensas.

BOMBOU NAS REDES!

Foto: Reprodução

Ronaldo Caiado, governador de Goiás: “A turma que dissemina o ódio com fake news poderia se juntar e doar cestas básicas, se voluntariar num hospital de campanha. Ajudar quem precisa”.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonarobancada evangélicacovid-19

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.