Arnaldo Jardim defende apoio a França e desautoriza Carlos Fernandes

Arnaldo Jardim defende apoio a França e desautoriza Carlos Fernandes

Vera Rosa

22 Junho 2018 | 17h55

 

Foto: Nilton Fukuda/Estadão

O presidente do diretório estadual do PPS, deputado Arnaldo Jardim (SP), disse nesta sexta-feira, 22, que seu partido não reverá o apoio ao governador de São Paulo, Márcio França (PSB), candidato a novo mandato no Palácio dos Bandeirantes, nem a Geraldo Alckmin (PSDB), que está na disputa pelo Planalto. Na prática, Jardim desautorizou o presidente do PPS paulistano, Carlos Fernandes, para quem o aval da legenda a França foi “prematuro”.

Em uma estocada indireta ao PP, que, uma semana após ter anunciado adesão à campanha de França, mudou de lado e na última hora decidiu se aliar ao ex-prefeito João Doria (PSDB), candidato ao governo paulista, Jardim também afirmou que o PPS respeita acordos.

“O PPS nunca entrou em barganhas para definir apoios, que se dão por convicções, e não por conveniências”, insistiu o deputado, ex-secretário de Agricultura e Abastecimento no governo Alckmin.“Decidimos firmemente pelo apoio a França e a Alckmin e não vamos mudar de lado. São decisões consolidadas, que não sofrerão alterações.”

Na outra ponta, Carlos Fernandes argumentou que o movimento do PP, rompendo a aliança anunciada com o governador de São Paulo, mostra ser “tempo de rever estratégias”. Aliado de Doria e do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), Fernandes disse que “as peças do xadrez eleitoral ainda estão se ajustando” na política. “Acredito e declaro que o PPS deve rever seus posicionamentos!”, defendeu ele, em sua página no Facebook. (Vera Rosa)