Após Guedes sofrer na Câmara, parlamentares paparicam Campos Neto em jantar

Após Guedes sofrer na Câmara, parlamentares paparicam Campos Neto em jantar

Coluna do Estadão

25 de novembro de 2021 | 02h00

Roberto Campos Neto: presidente do BC recebeu apoio de parlamentares em jantar / Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

No mesmo dia em que, pela manhã, Paulo Guedes levou bordoada atrás de bordoada na Câmara por causa da offshore, de noite, Roberto Campos Neto foi paparicado em jantar da Frente Parlamentar do Empreendedorismo, com 55 parlamentares de vários partidos, em Brasília. O presidente do Banco Central ouviu que a confiança no ministro da Economia se esgotou junto com a paciência do Congresso. Para os parlamentares, Campos Neto precisa se apresentar mais para o jogo, participar do debate econômico e funcionar como tábua de salvação do governo nos tempos ainda mais turbulentos que se avizinham. Segundo um dos presentes ao jantar, ele pode ser o “comandante da economia”, agora “blindado” pela autonomia do BC.

SOLITÁRIO. A pedalada dos precatórios foi a gota d’água para minar o apoio a Guedes que alguns parlamentares ainda nutriam. Para eles, o estrago político do calote foi muito maior do que o fiscal. Campos Neto é nome sempre lembrado para ocupar a Economia.

PANDEMIA. Lucas Redecker (PSDB-RS) avisou aos colegas de CCJ ter testado positivo para covid-19, nesta quarta-feira, 24. Apesar disso, o deputado federal registrou presença no colegiado. Ontem, 23, ele participou ativamente da sessão e discursou sem máscara.

PANDEMIA 2. Funcionários da Câmara afirmaram que Redecker circulou sem máscara pelos corredores da Casa na terça-feira, 23. Procurado pela Coluna, o deputado não respondeu aos nossos questionamentos. No Twitter, ele disse que os sintomas surgiram somente na quarta-feira, 24.

PRONTO, FALEI! Heni Ozi Cukier, deputado estadual (Novo-SP)

Fique atento às figuras que estão desembarcando do governo só agora. Com a eleição chegando e Bolsonaro derretendo, os abutres vão farejar votos em outro.”

KKKKKK. O PL decidiu que terá candidato próprio a governador de São Paulo, a menos que Rodrigo Garcia (PSDB) tope fazer campanha para Bolsonaro, hipótese até aqui considerada absurda pelo vice-governador do Estado. Aliás, ele tem se divertido horrores com os plantadores do Palácio do Planalto que já o colocaram até no partido de Valdemar Costa Neto.

FICA ASSIM COMBINADO. No mundo real, fica assim o arranjo: se Bolsonaro e o PL tiverem mesmo candidato próprio em São Paulo, os deputados paulistas e os prefeitos do partido vão fingir que farão campanha para ele, mas não deixarão de pedir votos para Garcia.

VOTO LÍQUIDO E CERTO. No governo Garcia-Doria, o PL paulista toca um dos programas mais cobiçados pelos políticos do Estado: o de poços artesianos, que atenderá nada menos do que 125 municípios.

CLICK. Sérgio Moro, ex-ministro da Justiça

Pré-candidato a presidente se encontrou com Romeu Zema (Novo): o apoio eleitoral do governador de Minas Gerais é um dos mais cobiçados até agora.

AÇÃO. O Ministério Público do Ceará investiga os contratos sem licitação do BNB com o Instituto Nordeste Cidadania (Inec), ligado ao PT. O diretor de Administração do banco, Haroldo Maia, e o superintendente de Licitações, José Valter Bento, já foram notificados para apresentar defesa.

SINAIS PARTICULARES (Por Kleber Sales), André Mendonça, ex-ministro da Justiça indicado ao STF por Jair Bolsonaro

QUERIDO PAPAI NOEL. Demorou tanto a sabatina de André Mendonça que deu tempo até de ele mudar o visual: fez um implante capilar. Ao menos ocorrerá antes do Natal…

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E CAMILA TURTELLI

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.