Após denúncia sobre compra de voto, líder do PT pede convocação de Serra na Câmara

Após denúncia sobre compra de voto, líder do PT pede convocação de Serra na Câmara

-

Coluna do Estadão

16 de agosto de 2016 | 18h11

afonso

 

O líder do PT na Câmara, deputado Afonso Florence (BA), protocolou requerimento de convocação para que o ministro das Relações Exterior, José Serra, preste “pessoalmente” à Câmara dos Deputados explicações sobre denúncia do jornal El Pais, do Uruguai, na qual se afirma que ele tentou comprar o voto do Uruguai para suspender a transferência de comando do Mercosul para a Venezuela em troca de futuros acordos comerciais.

No requerimento, Florence justifica que as transcrições de reunião do chanceler daquele país, Rodolfo Nin Novoa, com deputados demonstra “claramente” que “José Serra, em viagem ao Uruguai acompanhado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, tentou fazer com que o Uruguai não cumprisse as normas impostas ao Mercosul”. O líder do PT prossegue: “É evidente que um representante do governo brasileiro, notadamente um ocupante de um Ministério federal, não pode, de forma alguma, usar de subterfúgios para que se descumpra as normas internacionais, ratificadas pelo Brasil, em favor de um posicionamento político desarrazoado.”

De acordo com o jornal El País, Novoa teria afirmado, em reunião com deputados na última sexta-feira, que o Brasil teria tentado “como que comprar” o voto do Uruguai, oferecendo-se para levá-lo a negociações comerciais com outros países. Em troca, o Uruguai não transferiria a presidência do bloco para a Venezuela. Essa oferta teria sido feita por Serra e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no dia 5 de julho, quando ambos foram a Montevidéu e se reuniram com o presidente, Tabaré Vásquez. As negociações comerciais seriam com países da África subsaariana e com o Irã.

Após a notícia, Serra convocou o embaixador do Uruguai no Brasil, Carlos Amorim Tenconi, a dar explicações sobre as declarações do chanceler daquele país, Rodolfo Nin Novoa, a respeito da presidência do Mercosul. (Andreza Matais)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.