Após decisão sobre o Telegram, bolsonaristas correm em busca de alternativas

Camila Turtelli e Matheus Lara

18 de março de 2022 | 16h14

Grupos de direita espalhados pelo Telegram se agitaram depois da decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender o aplicativo de mensagens. Usuários sugerem o uso de ferramentas alternativas, como Signal e Gettr, e também trocam informações sobre possibilidades de como burlar a determinação.

Foto: Gabriela Biló/Estadão

A deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) distribuiu um áudio pelos grupos bolsonaristas do Telegram, onde ela pede que os usuários cadastrem seus contatos no site da parlamentar para “não perderem o contato”.

“O Telegram vai ser só o primeiro, tá? Depois disso, tudo a gente pode esperar. Então, eu, os conservadores precisamos que vocês entrem em contato conosco de alguma outra forma e essa alguma outra forma é a princípio meu site, o qual eles não podem derrubar, pelo menos por enquanto”, diz ela na mensagem.

Moraes determinou nesta sexta-feira, 18, a suspensão ‘completa e integral’ do aplicativo de mensagens Telegram no País. O magistrado justificou a decisão com base no descumprimento de medidas judiciais anteriores, que exigiam o bloqueio de perfis ligados ao blogueiro bolsonarista Allan do Santos, assim como a suspensão da monetização de conteúdos produzidos por essas contas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.