Apesar de Bolsonaro, as vacinas para o País

Apesar de Bolsonaro, as vacinas para o País

Coluna do Estadão

18 de janeiro de 2021 | 05h00

A enfermeira Mônica Calazans recebe a primeira dose de Coronavac no Brasil, no Hospital das Clínicas de SP Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Jair Bolsonaro gastou 11 meses negando a gravidade da pandemia e fazendo propaganda de medicamentos de eficácia controversa no combate à covid-19. Apostou suas fichas em uma única vacina (Oxford) e se empenhou em desacreditar os imunizantes, além de desdenhar da Coronavac. Agora, o próximo embate entre União e governadores será pela eficiência e rapidez na vacinação. O Ministério da Saúde, por ora, diz que a parte dele é entregar as doses aos Estados. Pode até estar formalmente certo, mas não vai colar se eximir também dessa responsabilidade.

Pressa. Governadores passaram a discutir ontem mesmo se não é o caso de antecipar o “Dia D e a Hora H” de Eduardo Pazuello para hoje ou amanhã, em vez de quarta-feira, como programado pela Saúde.

Pressa 2. A maioria já conseguiu distribuir as seringas e preparar os municípios para iniciar o processo de vacinação. Os prefeitos também começaram a pressionar para antecipar a campanha em alguns Estados.

Vamos! “Dificilmente conseguiremos iniciar imediatamente a vacinação. Mas, talvez, possamos discutir alguma condição de começar na terça-feira (19/1)”, disse o governador Eduardo Leite (PSDB-RS).

Calma. Como essa não é a realidade em todas as regiões do País, há quem defenda começar quarta-feira.

Affe. Governadores que resolveram esperar as decisões do Ministério da Saúde, se viram prejudicados com a falta de organização do governo federal. Admitem que João Doria venceu a corrida pela vacina e que a imagem dos demais acabou arranhada.

Pero… Apesar do dia de otimismo, o secretário de Saúde da Bahia, Fabio Villas Boas, demonstrou preocupação com o número de doses disponíveis.

…no mucho. “Se nada for feito para ampliar as vacinas ofertadas para a aquisição do ministério, a vacinação de grupos prioritários estará comprometida”, disse à Coluna. A Bahia tenta conseguir no STF autorização emergencial para utilizar a russa Sputnik V.

Round 1. Prefeitos avaliam que, se não houver aumento em breve da quantidade de vacinas disponíveis, apenas os profissionais de saúde deverão ser vacinados nesta primeira etapa. Os demais grupos prioritários tendem a ficar para depois.

Quer provar? “O brasileiro nunca quis saber onde foi produzido qualquer imunizante, nem taxa de eficácia. Agora virou todo mundo sommelier de vacina”, afirmou o governador Helder Barbalho (MDB-PA).

SINAIS PARTICULARES.
Helder Barbalho, governador do Pará

Ilustração: Kleber Sales

PS. Como já escreveu esta Coluna, João Doria marcou um gol contra o negacionismo com a vacina.

CLICK. Na Avenida Paulista, protesto pelo impeachment de Jair Bolsonaro reuniu ontem cerca de 30 pessoas em frente ao Masp. Outro ato também ocorreu em Brasília.

Foto: Taba Benedicto/Estadão

Sociedade… O grupo 342 Artes lidera ação da sociedade civil que protocolou robusta representação na Procuradoria-Geral da República pelo afastamento de Jair Bolsonaro da Presidência. A iniciativa ganhou a adesão de profissionais de saúde e do direito, de intelectuais e de artistas.

…se mexe. Na base jurídica da representação estão as dúvidas levantadas pelo presidente sobre a eficácia das vacinas, a imposição de obstáculos para a aquisição de insumos, o descontrole da pandemia e a situação crítica em Manaus.

Bola… “Cumpre que seja oferecida denúncia, pelo procurador-geral da República ao Supremo Tribunal Federal, para que o representado (Jair Bolsonaro) seja processado criminalmente por crimes comuns”, afirma a peça encaminhada ao PGR, Augusto Aras.

…com a PGR. A iniciativa é liderada por Mari Stockler, Marina Dias, Marco Aurélio Carvalho, Paula Lavigne, Celso Curi e Carla Vidal. O 342 Artes surgiu em 2017 para combater a censura.

Com a palavra. O Planalto não quis se manifestar.

PRONTO, FALEI! 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, no plenário da Corte durante sessão por videoconferência. Foto: Fellipe Sampaio /STF

Gilmar Mendes, ministro do STF: “Em meio a uma semana tão dura, a aprovação do uso emergencial de vacinas é um alento. Parabenizo todos os profissionais envolvidos e à Anvisa.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.