Ao Exército, Pazuello deve alegar que não cometeu infração

Ao Exército, Pazuello deve alegar que não cometeu infração

Marianna Holanda

27 de maio de 2021 | 07h00

General Eduardo Pazuello (à esq.) com o presidente Jair Bolsonaro em ato pró-governo no Rio, anteontem Foto: Wilton Junior / Estadão

Em sua defesa ao Exército, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deve dizer que não sua conduta não se enquadra em nenhuma infração do regulamento da força.

Segundo interlocutores do ex-ministro da Saúde, o documento será entregue nesta quinta-feira, 26. Pazuello é alvo de processo administrativa por ter participado de ato com Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro.

O ex-ministro alegará que a manifestação, que contou com milhares de pessoas, não era político-partidária. No palco, estavam o presidente, ministros e parlamentares.

O processo é sigiloso e Pazuello contou com a ajuda de amigos advogados e especialistas em Código Militar para estruturar o texto com ares de petição.

O Exército abriu um procedimento administrativo contra o general. O regulamento interno veda participação de militar em manifestação de cunho político-partidário.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.