Alvos do petrolão devem se beneficiar de indulto

Alvos do petrolão devem se beneficiar de indulto

Luiza Pollo

16 de dezembro de 2017 | 05h30

SINAIS PARTICULARES: Torquato Jardim, ministro da Justiça; por Kleber Sales

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse à ‘Coluna’ que o indulto de Natal deste ano deve contemplar alvos da Lava Jato. Ele avalia  repetir o modelo usado em 2015, no governo Dilma Rousseff, quando se levou em consideração o bom comportamento do preso para que pudessem receber redução da pena ou perdão judicial. O MPF pede ao governo que o indulto não contemple acusados de crime de colarinho-branco, como os do petrolão. O ministro reage. “Escolher um crime para excluir ou incluir no indulto significa personalizar ou favorecer alguém.”

Sem carimbo. “A tendência é o Ministério da Justiça reforçar a tradição de critérios abstratos, independemente dos crimes para não ficar direcionando indultos ou comutação de pena para tais pessoas”, diz o ministro da Justiça.

A lista. Seguindo esses parâmetros, o indulto pode beneficiar 37 condenados da Lava Jato. Entre eles, José Carlos Bumlai e Delúbio Soares. Os dois estão soltos e poderiam ter a pena reduzida. A lista é da Procuradoria da República no Paraná.

Como foi. Em 2016, Temer quebrou a tradição e não concedeu redução da pena. Na época, o presidente atendeu a reivindicação do então ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Vem pra cá. O líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi, convidou o general Sérgio Etchegoyen, chefe do Gabinete de Segurança Institucional do governo, para se filiar ao partido. O general não topou.

Efeito ‘Mito’. O objetivo de Baleia era lançar o militar a algum cargo proporcional ou majoritário em 2018 e reduzir a influência de nomes como o do presidenciável Jair Bolsonaro.

Quem? Os petistas do Ceará resolveram se divertir e agora chamam o presidente do Senado, Eunício Oliveira, do PMDB, somente pelo sobrenome. Neoaliado dos petistas, o senador sempre se elegeu usando o primeiro nome.

CLICK: Ex-assessor especial de Temer, Rodrigo Rocha Loures foi flagrado pela ‘Coluna’ no aeroporto de Brasília quando buscava uma mulher. É a primeira imagem da vida cotidiana dele após ser filmado pela PF recebendo mala com R$ 500 mil de propina da JBS. Procurada, a assessoria de Loures confirma ser ele na imagem, mas diz que não irá comentar. A Justiça permite que ele saia de dia, mas à noite tem que se recolher.

Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor de Michel Temer. Foto: Naira Trindade/Estadão

Fui! Filho do senador Zezé Perrellla (PMDB-MG), Gustavo Perrella foi exonerado do cargo de secretário do Ministério dos Esportes quarta para assumir uma vaga na direção da CBF. O pai é dirigente do Cruzeiro.

Nada se cria... O mote “Coragem para mudar o Brasil”, utilizado por um grupo de demistas para lançar Rodrigo Maia candidato ao Planalto, ontem, em Fortaleza, foi criado pelo marqueteiro Argentino Diego Brandy para a campanha de Eduardo Campos e Marina Silva ao Planalto em 2014.

É atual. Dirigentes do DEM justificam que adotaram o slogan por traduzir os rumos que querem dar à campanha de Maia. Justificam que ele tem coragem de enfrentar as reformas de que o País precisa.

Justiça... O ministro Celso de Mello está revisando o relatório de uma ação penal contra o deputado Flaviano Melo (PMDB-AC) nove anos após as alegações finais, última etapa antes do julgamento pelo STF.

…rápida. Melo é réu por gestão fraudulenta desde 2002. O processo, no Supremo desde 2007, já teve pedidos de três procuradores-gerais de prioridade na pauta. Raquel Dodge entrou no caso na semana passada.

 

PRONTO, FALEI!

Foto: Wilton Junior/Estadão

“Você acha que um candidato pode falar de investimento sem dizer como vai reduzir o déficit?”, DO PRESIDENTE DA CÂMARA, RODRIGO MAIA (DEM-RJ),  sobre a falta de apoio dos presidenciáveis à reforma do INSS.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABORARAM IGOR GADELHA E BRENO PIRES

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

Tendências: