Aloysio rompe tom harmônico de reunião com Temer: “Não defendo reajuste salarial”

Aloysio rompe tom harmônico de reunião com Temer: “Não defendo reajuste salarial”

­Em nota, o líder do governo diz que é contra aumento para servidor público antes de aprovar medidas do ajuste fiscal

Coluna do Estadão

20 Agosto 2016 | 07h30

Atualizada às 13h13

Foto: Estadão Conteúdo

Foto: Estadão Conteúdo

“Não adianta me pedir para defender reajuste que isso eu não faço”, avisou o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), destoando do tom harmônico que prevaleceu na megarreunião convocada por Michel Temer com equipe e base.

Quando acharam que ele havia concluído a bronca, lascou: “Nenhum reajuste. Nada! Nem diluído ao longo dos anos”.

“Eu não pronunciei a frase que me é atribuída por quem informou a coluna. Sou contra a concessão de reajuste ao funcionalismo, inclusive do teto do judiciário,  antes da aprovação da PEC que limita os gastos do governo federal e da Lei que repactua as dívidas dos estados com a União.  Não tem sentido impor novos encargos de pessoal antes de equacionar o limite global das despesas públicas.”

Neste sábado, o senador enviou a seguinte nota para a Coluna: “Eu não pronunciei a frase que me é atribuída por quem informou a Coluna. Sou contra a concessão de reajuste ao funcionalismo, inclusive do teto do judiciário,  antes da aprovação da PEC que limita os gastos do governo federal e da Lei que repactua as dívidas dos estados com a União.  Não tem sentido impor novos encargos de pessoal antes de equacionar o limite global das despesas públicas.”

Siga a Coluna do Estadão:
No Twitter: @colunadoestadao
No Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Zangado