Aliança ‘BolsoSkaf’ tem Doria como alvo; tucanos prometem contra-ataque

Aliança ‘BolsoSkaf’ tem Doria como alvo; tucanos prometem contra-ataque

Coluna do Estadão

04 de fevereiro de 2020 | 05h00

Bolsonaro e Skaf em São Paulo. FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP

A despeito de seu enorme potencial de chacoalhar a roseira da centro-direita já nas eleições deste ano em SP, a parceria entre Jair Bolsonaro e Paulo Skaf tem mesmo como horizonte 2022. A estratégia de seus artífices é dificultar ao máximo a vida de João Doria (PSDB), seja na disputa pela reeleição ou na sucessão do presidente. Em outros termos, ao menos neste momento, o governador é o inimigo comum da dupla. Por isso, tucanos de dentro e de fora do Bandeirantes articulam o início do contra-ataque: minar o poder de Skaf dentro da Fiesp.

Missão impossível? A ideia dos tucanos, nos bastidores, é utilizar a influência de Doria no meio empresarial para articular um movimento capaz de desalojar Skaf do comando da entidade classista, uma das mais poderosas do País.

Vixe. O temor imediato no PSDB é de que Skaf engaje a Fiesp na coleta de assinaturas para a criação do Aliança pelo Brasil.

Deu… No cenário para as eleições deste ano, o casamento de Bolsonaro com Skaf, tendo Gilberto Kassab como padrinho, pode dar aos bolsonaristas uma estrutura que eles neste momento não têm em SP.

…liga. E Bolsonaro pode conferir ao candidato do grupo a prefeito, seja ele José Luiz Datena, Andrea Matarazzo ou Skaf, densidade política e eleitoral.

Xi… Aliados de Bolsonaro, porém, permanecem incomodados. Citado em delações da Lava Jato, Skaf é investigado pela PF, acusado de caixa 2. Ele nega.

Voltou de Cuba? Dentro do bolsonarismo raiz, quem não engole a união “BolsoSkaf” também lembra que o presidente da Fiesp já esteve muito próximo de Lula e foi filiado ao PSB.

CLICK. Andrea Matarazzo, ex-secretário estadual da Cultura de São Paulo, e Regina Duarte conversam sobre políticas para o setor cultural, em evento na Fiesp.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Digital… Braço formulador do PSDB, o Instituto Teotônio Vilela (ITV) está usando as “lives” de internet para treinar os pré-candidatos e a militância do partido no interior de SP.

…first. Em uma delas, o analista Jairo Pimentel e o secretário estadual Flavio Amary (Habitação), presidente do ITV-SP, falam sobre as pesquisas eleitorais.

Insônia. Governistas não deixaram de reparar o semblante abatido de Onyx Lorenzoni na abertura dos trabalhos legislativos. Segundo aliados do ministro, o Desenvolvimento Regional, hoje com Gustavo Canuto, seria um bom lugar para ele superar a fase difícil: tem alta capilaridade eleitoral.

Plano B. O governo avalia elaborar um projeto de lei com o mesmo teor do texto da MP da carteirinha digital, que, por certo, caducará na próxima semana.

Plano C? Vai ser difícil aprová-la também, visto o mau humor do Congresso com o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Só no digital. O Senado extinguiu a edição impressa do Jornal do Senado, depois de 25 anos de circulação. A economia, segundo a assessoria de imprensa, será de R$ 1,4 milhão por ano.

Aula. Deputados estaduais estão entre os alunos do 5.º Mises Summer School, curso de introdução à Escola Austríaca, que será realizado em Conchas (SP) nesta semana: Alexandre Freitas (Novo-RJ) e Davi Maia (DEM-AL). O secretário de Desburocratização, Paulo Uebel, é um dos professores escalados.

SINAIS PARTICULARES.
Paulo Uebel, secretário especial de Desburocratização da Economia

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

PRONTO, FALEI!

Deputado José
Guimarães (PT-CE). FOTO: MICHEL JESUS/CÂMARA DOS DEPUTADOS

José Guimarães, deputado federal (PT-CE): “O plenário vazio reflete a falta de sintonia entre o Legislativo e o Executivo. Essa sessão de abertura dos trabalhos do Congresso foi só para inglês ver.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: