Aliados de Bolsonaro alertam sobre campanha mais cara em 2022

Aliados de Bolsonaro alertam sobre campanha mais cara em 2022

Coluna do Estadão

26 de julho de 2021 | 00h02

Em 2018, Jair Bolsonaro se elegeu com “meros” R$ 4,2 milhões de gastos na campanha (valores declarados e corrigidos). A eleição de 2022 será completamente diferente, avalia o entorno do presidente. O gasto de Bolsonaro três anos atrás representa 57% do quanto Dilma Rousseff (PT) desembolsou só para ressarcir os cofres públicos em transporte na campanha de 2014: R$ 7,4 milhões (corrigidos). A lei determina que o presidente candidato à reeleição devolva os gastos com a modalidade. Ou seja, vetar o “fundão” não é tão simples assim.

Raio. Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), por exemplo, costuma defender uma campanha “mais profissional” de seu pai ano que vem em relação a 2018. O senador está na turma dos que sabem que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar.

Grana. “A campanha à reeleição presidencial tende a ser mais cara porque o ressarcimento por transportes oficiais se dá mediante a estimativa dos custos, de acordo com a hora/voo na aviação executiva privada”, disse à Coluna o advogado eleitoral Alberto Rollo.

Grana 2. E mais: não adianta casar a agenda presidencial com a de campanha para ‘pegar carona’ no avião presidencial, alerta o advogado: pode configurar abuso do poder político.

CLICK. O mais recente protesto contra Jair Bolsonaro nas ruas deixou dúvidas quanto à estratégia de manter pouco intervalo entre os atos: a adesão minguou sábado. (Foto: NELSON ANTOINE/AP)

A ver. Futuro ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI) foi um dos onze presidentes de partidos que se uniram contra o voto impresso, obsessão de seu novo chefe, Bolsonaro.

A ver 2. Dirigentes partidários não acreditam que Ciro Nogueira vá, agora, mudar de lado. Até porque, a PEC tem toda a pinta de já ter ido para o brejo.

Vamos… Apesar de o prazo de envio da “PEC do Pazuello” para a CCJ ser a primeira semana do retorno dos trabalhos legislativos, Arthur Lira (PP-AL) já tocou ficha no andamento do texto de autoria de Perpétua Almeida (PCdoB-AC).

…nessa. O presidente da Câmara despachou o texto para a comissão ainda neste recesso parlamentar. Bia Kicis (PSL-DF) terá cinco sessões para botar em votação a matéria. A PEC proíbe militares da ativa no governo.

Ativo… Mesmo se recuperando da covid-19, portanto, em isolamento e sob cuidados, João Doria (PSDB) não parou. Só até sexta-feira passada, 23, ele havia concedido 17 entrevistas a veículos de comunicação.

…e operante. Em plena campanha nas prévias presidenciais tucanas, o governador de São Paulo falou com jornalistas das regiões Norte, Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul do País.

SINAIS PARTICULARES
Pedro Cunha Lima, deputado federal (PSDB-PB)

Terceira… Presidente do Instituto Teotônio Vilela e pré-candidato ao governo da Paraíba, Pedro Cunha Lima (PSDB) diz que as prévias tucanas não colocam ponto final nas discussões em torno da construção de uma terceira via rumo às eleições de 2022.

…via. “Se todo mundo pensar em ter candidatura própria, com atitude egoísta de fortalecer partido, será o sonho para Lula e Bolsonaro. As candidaturas precisam se entender e ter um só nome”, afirma ele.

Diz aí. O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, até agora não demonstrou firmeza sobre a questão crucial para o futuro do partido: quem ganhar as prévias será candidato?

PRONTO, FALEI!
Ethel Maciel, epidemiologista

“Completamos 500 dias de pandemia. No Brasil, 550 mil mortos. A transmissão segue descontrolada e estamos longe de parâmetros de controle. A pandemia não acabou e temos uma variante mais transmissível circulando! Vacine-se quando chegar a sua vez. Busque a segunda dose. Cuide-se!”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.