Ala bivarista do PSL pode antecipar troca de líder do partido, mas quer a saída de Major Vitor Hugo

Ala bivarista do PSL pode antecipar troca de líder do partido, mas quer a saída de Major Vitor Hugo

Marianna Holanda

21 de outubro de 2019 | 06h00

Reprodução Câmara dos Deputados

Atacada pelos bolsonaristas, a ala “bivarista” do PSL avalia fazer um gesto de paz na direção do inimigo: antecipar para novembro próximo a escolha do líder do partido na Câmara, em nome de uma reconciliação. Inicialmente, a eleição na bancada está marcada para dezembro.

Como não há almoço de graça, a ideia de sacrificar Delegado Waldir exige como troca a cabeça do líder do governo, Major Vítor Hugo, hoje empenhado nas redes sociais em atacar o grupo de Bivar.

“A gente nem o considera mais líder do governo. Se Waldir é agressivo, Vitor Hugo também é”, diz Junior Bozzela, da ala “bivarista”. Ele se encontrará hoje com Abraham Weintraub, a convite do ministro, para discutir o partido.

A possibilidade de um nome de conciliação na liderança do PSL, que não seja o de Eduardo Bolsonaro nem o de Delegado Waldir, é vista com bons olhos pelo Palácio do Planalto. Um dos citados é Coronel Armando (SC).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: