Ala anti-Alckmin pode deixar PSDB em março

Ala anti-Alckmin pode deixar PSDB em março

Luiza Pollo

14 de dezembro de 2017 | 05h30

Foto: Gabriela Biló/Estadão

Tucanos insatisfeitos com os rumos do partido agora comandado pelo governador Geraldo Alckmin aguardam uma definição sobre quem será o candidato do governo Temer ao Planalto para decidir se deixam a sigla. O prazo é a janela partidária de março, que permite trocar de legenda sem o risco de perda do mandato. PMDB, PP, PSD, PR, PTB e PRB estão em busca de um nome. O cardápio inclui o próprio presidente e o ministro Henrique Meirelles (Fazenda). Outros são considerados, como o o prefeito João Doria (SP), caso troque PSDB pelo PMDB.

Casa nova. José Serra também é cotado para ser o candidato do Centrão. Recentemente, o presidente do PMDB, Romero Jucá, consultou o tucano sobre o interesse de se filiar ao partido. Não foi a primeira vez. Serra desconversa.

Fantasma. No jantar de fim de ano oferecido pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira, na terça, que reuniu nomes dos três poderes, as rodas de conversa voltaram a tratar da Lava Jato e como combatê-la.

É fraco. O novo diretor-geral da PF, Fernando Segovia, foi criticado. Não consegue evitar as operações. No dia seguinte ao jantar, os deputados Dulce Miranda (PMDB) e Carlos Gaguim (Podemos) tiveram os gabinetes vasculhados.

Vem aí. Criminalistas avaliam que 2018 será o ano da Lava Jato no Supremo. Em 2017, a Corte não julgou nenhum réu. Vem daí o desespero de políticos envolvidos nas investigações.

Apelando. Ainda em busca de aprovar a Previdência, o governo tenta abrir um canal com a oposição por meio de governadores, que prometem ajudar virando votos de deputados em troca de mais recursos.

Silvio vem aí. O presidente Temer vai participar do programa Silvio Santos para falar da reforma da Previdência. A gravação será amanhã. O apresentador decidiu apoiar a proposta.

Linha… O ministro Henrique Meirelles conversou por telefone com Romero Jucá depois de ele anunciar, em nota, que a Previdência ficou para 2018.

…cruzada. Principal fiador da reforma, Meirelles foi diplomático. Disse que Jucá deu uma “opinião”, que será levada em conta, mas não é a posição oficial do governo.

CLICK. Um dos principais articuladores do texto da reforma da Previdência, o deputado Pauderney Avelino (DEM) mudou o visual e aderiu a um gel que disfarça cabelos brancos.

Foto: Leonel Rocha

Campanha contra. O ministro Sarney Filho (Meio Ambiente) escalou uma equipe para visitar gabinetes de senadores com a missão de derrubar, na sabatina, a indicação de Christianne Dias Ferreira para a direção da Agência Nacional de Águas (ANA). Diz que ela é ligada ao Eduardo Cunha.

Sem clima. O DEM adiou sua convenção de hoje para 6 de fevereiro depois de o presidente da sigla, Agripino Maia, ter virado réu.

Vem pra cá. O PR e o PRB disputam a deputada Bruna Furlan (SP). Insatisfeita no PSDB, ela recebeu convites para concorrer ao Senado.

SINAIS PARTICULARES: Bruna Furlan, deputada federal pelo PSDB-SP; por Kleber Sales

Chega. O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, avisou aos amigos que, depois de passar 35 anos concorrendo em eleições, ficará fora do pleito de 2018.

Pires. Pezão está há três dias em Brasília aguardando a elaboração de quatro contratos de empréstimos de R$ 2,9 bilhões com o BNP Paribas.

Quase lá. Com o dinheiro, garante que até janeiro pagará todos os salários atrasados de servidores da ativa e aposentados. A partir de fevereiro os vencimentos voltarão a ser pagos em dia.

BOMBOU NAS REDES! 

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson | Wilton Junior/Estadão

“Dirigentes do MST fingem que lutam por terras para os mais pobres. Depois das manifestações, vão descansar no ar condicionado de hotel cinco-estrelas”, DO PRESIDENTE NACIONAL DO PTB, ROBERTO JEFFERSON

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão