Ajufe quer excluir perfis falsos de Moro das redes

Ajufe quer excluir perfis falsos de Moro das redes

Coluna do Estadão

16 Setembro 2018 | 05h30

Sérgio Moro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) vai acionar o Instagram para pedir a retirada de perfis falsos do juiz Sérgio Moro criados na rede social. Um deles, com 655 mil seguidores, usa a denominação “Sérgio Moro oficial”, leva a foto do magistrado e pede voto para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). A Ajufe afirma que o responsável pela Operação Lava Jato “não mantém atividades em redes sociais, tampouco se manifesta sobre questões políticas, partidárias, eleitorais ou qualquer candidato envolvido na disputa eleitoral deste ano”.

Tudo fake. Somando todos os 25 perfis falsos de Moro no Instagram, ele conta com 786.780 seguidores. É mais do que têm juntos o ex-presidente Lula (456 mil) e os candidatos Geraldo Alckmin (130 mil) e Marina Silva (134 mil).

No jogo. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), discorda de parte dos seus colegas do Centrão de que só um milagre coloca Geraldo Alckmin no 2.º turno. “Ele tem chance sim”, aposta. O Datafolha mostrou na última sexta-feira que o tucano oscilou de 10% para 9% das intenções de voto.

Cálculo. Maia aposta que o crescimento de Haddad fará com que parte do eleitorado migre para Alckmin, interpretando que apenas o tucano poderá deter a volta do PT ao governo federal.

Chama a Regina. A estratégia de Alckmin para chegar ao 2.º turno será disseminar o medo: “Com PT ou Bolsonaro, vamos virar a Venezuela”, dirá um locutor no seu programa de TV.

Filme antigo. Em 2002, a campanha presidencial de José Serra divulgou vídeo com Regina Duarte dizendo que tinha medo de Lula vencer a eleição. Não colou.

Tape 1. Recém-operado ainda na sala de cirurgia, em Juiz de Fora, Jair Bolsonaro recebeu a visita do senador Magno Malta (PR-ES). Alertado pela equipe médica de que não seria adequado gravá-lo, Bolsonaro insistiu que permitisse só aquele vídeo.

Próximo torpedo. O entorno do presidente Michel Temer aposta que o inquérito dos Portos será concluído até o fim de outubro.

Outro dia. Na Academia Brasileira de Letras, se diz que o ex-ministro Pedro Malan não deve ser eleito como imortal na vaga do escritor Helio Jaguaribe, morto na última semana.

Excesso de números. Motivo: A ABL elegeu em abril outro economista, Edmar Bacha, na vaga do jurista Evaristo de Moraes Filho.

Cotação. A cadeira 11 deve ficar com um romancista. As apostas entre imortais são de que a escolha deve recair em Ignacio de Loyola Brandão ou Silviano Santiago, hoje favorito.

CLICK. Candidato ao governo de São Paulo pelo MDB, Paulo Skaf postou nas redes sociais brincadeira apertando o botão do “eu quero você” do programa The Voice.

FOTO: Reprodução

OS CONSELHEIROS 

SINAIS PARTICULARES: Juliano Medeiros (PSOL), conselheiro do presidenciável Guilherme Boulos (PSOL); por Kleber Sales

Disfarça. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, anda contrariada com comentários de que tem ignorado Haddad porque queria ser a herdeira do espólio de Lula.

Pode chegar. Presidente do conselho de administração da Valid, Sidney Levy, que confecciona as carteiras de motorista, diz apoiar a digitalização do documento. “O Brasil tem que evoluir. Que venha a concorrência.” O documento passará a ser em cartão e digital.

A SEMANA! 

Segunda-feira, 17

Termina o prazo para a substituição de candidatos no TSE

É o último dia para trocar de candidato. Os registros de candidatura de Haddad e Manuela devem ser julgados nessa data.

Quarta-feira, 19

Ministro Dias Toffoli preside primeira sessão no Supremo

Na pauta está a transferência de universidade de militares e o uso de aeronaves para combater o mosquito Aedes aegypti.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao