Ainda sem vacina, mas com muitas ‘fake news’

Ainda sem vacina, mas com muitas ‘fake news’

Coluna do Estadão

18 de dezembro de 2020 | 05h00

Foto: Stephen Lam/Reuters

Nos últimos dias, o Google registrou aumento no interesse dos brasileiros quanto aos imunizantes contra a covid-19. Até aqui, tudo óbvio. Porém, as três primeiras consultas no ranking relacionado às vacinas trazem os termos “chinesa” e “Peru”. Confuso? Circula no WhatsApp “fake news” sobre o país vizinho do Brasil ter suspenso testes com a Coronavac por problemas neurológicos com um voluntário. Ou seja, a pandemia das notícias falsas continua a assolar o País. Jair Bolsonaro tem posto em dúvida a segurança e eficácia dos imunizantes.

Bolha? A Bites Consultoria comparou posts na última semana no Twitter das hashtags contra e a favor da vacinação. As negacionistas apareceram 63 mil vezes, ante 4 mil das postagens com termos aderentes à imunização.

Terra redonda. O argumento do movimento “antivax” é que essa é uma questão de foro privado. O STF formou maioria a favor de sanções contra quem não se vacinar no Brasil.

No papel. Apesar das declarações do presidente, a campanha de comunicação do Ministério da Saúde, ao menos conforme o plano inicial, defende “reforçar a segurança da(s) vacina(s)”. Um dos motes, segundo o documento, será “vacina segura”.

No papel 2. “A comunicação será de fácil entendimento e disruptiva, com o objetivo de quebrar crenças negativas contra a vacina”, diz trecho do plano. Em outro ponto, a mensagem diz que o SUS “trabalha sempre tendo como premissa a segurança e eficácia dos imunizantes”.

Vida real. O ministério diz estar preocupado com o movimento “antivax” no Brasil. A equipe de comunicação promete uma espécie de lista com respostas para as perguntas mais frequentes sobre o tema.

Ele sim. O ministério precisa enviar os esclarecimentos a Jair Bolsonaro para ver se o presidente para de jogar contra a vacina.

Relógio. Do ex-presidente da Anvisa William Dib: “Colocar o cidadão para assinar termo de compromisso é uma ignorância porque isso vai custar atraso na vacinação em um país tão grande como o nosso”.

LEIA TAMBÉM: Sem Michelle, Bolsonaro descansa em Santa Catarina e Guarujá

CLICK. O senador Cid Gomes (PDT -CE) participou da sessão do Senado sobre o plano de vacinação nacional contra a covid-19 diretamente do seu carro. Alertou que estava em trajes inadequados e fechou o vídeo.

TV Senado/Reprodução

Acorda… O Ministério Público Federal dá mais um sinal de que pretende despertar para o tema: mandará ofício para a Fiocruz questionando a capacidade de produção da vacina de Oxford, os efeitos adversos, e a previsão de data do pedido de registro na Anvisa, entre outros pontos.

…pessoal. Os mesmos 14 procuradores também questionaram o Instituto Butantã (Coronavac).

Fly. Eduardo Pazuello se reuniu com presidentes de companhias aéreas que operam no Brasil e com o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, para tratar da distribuição de vacinas pelo País. Técnicos do Ministério da Saúde também fizeram ontem a primeira reunião com integrantes dos setores de logística das companhias para começar a desenhar a distribuição.

Fly 2. “A cooperação entre empresas e ministério garantirá que nenhum lugar do País fique sem vacina. Nos apresentamos para o serviço”, disse Sanovicz.

Fé no ano-novo. Relator da PEC Emergencial, o senador Márcio Bittar (MDB-AC), é homem de fé. Acha que seus colegas poderão ser convencidos pelas bases no recesso da necessidade de criação de um programa de renda básica em 2021. O auxílio-emergencial acaba agora em dezembro.

SINAIS PARTICULARES. 
Márcio Bittar, senador (MDB-AC)

Ilustração: Kleber Sales

 

PRONTO, FALEI! 

Deputado Marcelo Freixo. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Marcelo Freixo, deputado federal (PSOL-RJ): “Decisão importante num dia em que Bolsonaro voltou a criticar publicamente a vacina. Nós só vamos vencer a covid-19 se lutarmos juntos e pensarmos uns nos outros. Cuidar de si é cuidar de todos”, sobre STF ter aprovado a vacinação obrigatória contra covid-19.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.