Ainda sem acordo, PT e PSB têm ‘Dia D’ para definir rumo de possível federação

Ainda sem acordo, PT e PSB têm ‘Dia D’ para definir rumo de possível federação

Camila Turtelli e Matheus Lara

09 de março de 2022 | 05h00

O presidente do PSB, Carlos Siqueira. Foto: Ed Ferreira/Estadão.

PT e PSB têm nesta quarta-feira, 9, uma reunião decisiva sobre o destino dos partidos. A sigla presidida por Carlos Siqueira espera uma resposta sobre a carta de condições apresentada aos petistas no começo de fevereiro para consolidar a federação entre eles. Caso não tenha um retorno favorável, os pessebistas podem desistir do casamento de quatro anos, o que não inviabilizaria uma aliança e o apoio à candidatura de Lula ao Palácio do Planalto. Nos bastidores, o PSB segue dividido. De um lado, há um temor de que a sigla seja “engolida” pelo PT e perca relevância. Do outro, deputados estão com dificuldade de formação de chapas estaduais, o que poderia ser solucionado pela federação.

UM PRA VOCÊ, UM PRA MIM. O PSB espera que o PT ceda em apoios no Acre, Espírito Santo e Rio Grande do Sul, depois de já garantir o apoio dos petistas no Rio de Janeiro e em Pernambuco. São Paulo, no entanto, é um assunto mais delicado. Deve ser tratado depois e, nesta fase, não será decisivo.

CABEÇAS. A reunião será em Brasília com a presença dos presidentes partidários e lideranças, entre elas, o ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB), cotado para disputar o cargo novamente.

BARULHO. O horário do protesto liderado por Caetano Veloso em frente ao Congresso nesta quarta-feira, 9, pode coincidir com a votação do projeto que libera a exploração em terras indígenas na Câmara. Nos bastidores, a orientação foi para políticos não subirem no palanque e deixarem o espaço apenas para os artistas.

SECRETO. O relator-geral do Orçamento, Hugo Leal, vai apresentar hoje na Comissão Mista de Orçamento (CMO) um sistema para cadastro das emendas RP-9, conhecidas como orçamento secreto.

NEM TUDO. O sistema não trará as informações de antes da liminar do Supremo Tribunal Federal que determinou a divulgação dos beneficiados. Nesta semana acaba o prazo que o Supremo deu ao Congresso para divulgar todas as informações sobre o orçamento, inclusive as passadas.

CLICK. João Doria, governador de São Paulo (PSDB)

Tucano se encontrou em Brasília com o ministro do TCU Antonio Anastasia para tratar de questões administrativas do Estado, com destaque para a educação.

PRÓXIMA FASE. Além de desistir da pré-candidatura ao governo de São Paulo, o deputado estadual Arthur do Val, expulso ontem do Podemos, também não vai concorrer a qualquer outro cargo nestas eleições, após a repercussão de seus áudios sexistas. Arthur deve cuidar da sua vida pessoal nos próximos meses.

STALKER… Nem um passo sequer de Graciela Nienov, que tomou as rédeas do PTB desde a prisão de Roberto Jefferson, tem passado despercebido por Cristiane Brasil, filha do ex-deputado e inimiga declarada de Graciela, nas redes.

…PROFISSIONAL. Cristiane tem “stalkeado” e republicado fotos de reuniões de Graciela, sempre com críticas (inclusive com direito a ofensas). Ontem, xingou Graciela por “desqualificar” o PTB reunindo-se com Ciro Nogueira.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Cristiane Brasil, ex-deputada federal

E AÍ? A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) cobrou do Ministério da Saúde informações sobre o estado atual do licenciamento e liberação de medicamentos específicos para covid-19, como o Paxlovid, Remdesivir e Molnupiravir.

NÃO ESQUECE. No documento, Melchionna cita a defesa que agentes políticos do governo federal fizeram de medicamentos ineficazes para o tratamento da doença, como a hidroxicloroquina e a ivermectina.

AGORA… Parlamentares e entidades ligadas ao tema da educação estão otimistas de que o Senado poderá aprovar hoje, 9, o Sistema Nacional de Educação, que estabelece diretrizes, objetivos e metas para a e educação básica no País.

…VAI? Após adiar a votação para atender o governo Bolsonaro, senadores chegaram a um acordo com os ministérios da Economia e Educação, que queriam ainda mais tempo para analisar o substitutivo que vai ao plenário, de autoria de Dário Berger (MDB-SC).

PRONTO, FALEI! Joenia Wapichana, deputada federal (Rede-RR)

“Os direitos dos povos indígenas nunca foram tão atacados como no governo Bolsonaro. Esse projeto de lei (exploração mineral) é o da destruição. É inaceitável”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.