Advertência ‘quebra a casca’ de Dallagnol

Advertência ‘quebra a casca’ de Dallagnol

Coluna do Estadão

27 de novembro de 2019 | 05h00

Deltan Dallagnol. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O final da primeira temporada da saga de Deltan Dallagnol no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) foi daqueles para deixar a audiência ligada e apreensiva com o que vem pela frente. Se, à primeira vista, a “advertência” sugere interpretações na linha “saiu barato para o procurador”, há no mundo jurídico quem veja no desfecho o prenúncio de intensos capítulos: outros processos mais graves estão pendentes e, se ainda não pegou pesado, o órgão “quebrou a casca protetora de Dallagnol”, na interpretação de um rodado jurista.

Temperatura. A pena de “advertência”, determinada ontem ao procurador da Lava Jato por causa de críticas dele ao STF, deve acirrar ainda mais os ânimos entre a Lava Jato e a Corte.

Não tô aqui. A ausência do PGR Augusto Aras no CNMP foi interpretada por conselheiros como uma forma de evitar um desgaste com a turma da Lava Jato.

No aguardo. Há um pedido de vista no processo de Renan Calheiros contra Dallagnol na mão de Aras. Por isso, a expectativa quanto à participação do PGR na sessão do conselho. Raquel Dodge e Rodrigo Janot seguraram meses processos em situações semelhantes.

CLICK. Camisetas estampadas com o rosto de FHC serão vendidas no congresso do PSDB, em 7 de dezembro. Para a confecção, não foi usado dinheiro do partido.

COLUNA DO ESTADÃO

Não curti. Por insistir na hegemonia petista e no protagonismo de Lula, o discurso de Gleisi Hoffmann, logo após ter sido reconduzida ao comando do PT, não reverberou bem entre os outros partidos de esquerda. Para eles, a mensagem não foi simpática para quem deseja agregar.

Aliança. O PSB, o PV e o PDT já iniciaram as tratativas para começar a organizar as alianças sem o PT.

Assim, não, Guedes. Do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a menção de Paulo Guedes ao AI-5: “O desgoverno do PT se combate com resultados e um bom governo, não com ataques à democracia”.

Olha a fila. Mesmo no melhor dos cenários, Nestor Forster só deverá ter sua indicação para a Embaixada do Brasil em Washington analisada no início do ano que vem. “Praticamente impossível neste ano”, disse Nelsinho Trad, presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Promessa… Deputados federais dizem estar sendo cobrados “nas bases” pelas creches e ambulâncias prometidas aos municípios e que seriam viabilizadas com o dinheiro das emendas parlamentares, ainda longe de serem completamente quitadas pelo governo Jair Bolsonaro. Ano que vem, claro, tem eleição.

…é dívida. Por causa da pressão, emissários do Executivo foram mostrar a Rodrigo Maia (DEM-RJ) uma relação do que já começou a ser empenhado em cada ministério. Querem que ele repasse aos líderes.

SINAIS PARTICULARES

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Magoou. O ministro Luís Roberto Barroso contou à ministra Rosa Weber que o presidente do STF, Dias Toffoli, está chateado com ele. O presidente do Supremo não gostou de o colega ter dito que precisavam chamar um professor de javanês para interpretar o voto de Toffoli no julgamento da Receita, semana passada.

Mais uma vítima. A conversa entre Barroso e Rosa Weber foi captada no início da sessão do TSE de ontem. Os microfones já estavam abertos para quem acompanhava pela internet.

PRONTO, FALEI!

Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados

Filipe Barros (PSL-PR), deputado federal: “Se for para seguir a mesma regra, tem que cassar toda a bancada do PT por defender Maduro”, sobre processo de Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.