Acre pode estar na rota do tráfico internacional de pessoas

Acre pode estar na rota do tráfico internacional de pessoas

Coluna do Estadão

17 de fevereiro de 2021 | 05h00

Rio Acre percorre a divisa entre o Brasil e Peru em Assis Brasil. Foto: Odair Leal/Estadão

Autoridades do Acre identificaram aumento na entrada de estrangeiros no Estado, de várias nacionalidades africanas, em busca de chegar a outros países da América Latina. “O Brasil pode estar entrando em uma rota internacional de tráfico de pessoas”, afirma o secretário de Justiça e Segurança do Acre, coronel Paulo Cézar Rocha dos Santos. Para agravar o quadro de tensão crescente, o Estado também enfrenta uma crise de refluxo migratório na fronteira com o Peru: haitianos que tentam deixar o Brasil estão sendo barrados pela polícia peruana.

Sinais. Segundo Santos, foi detectada a presença de “coiotes” na região, o que reforça a suspeita de tráfico internacional de pessoas. Eles são contratados para conduzir ilegalmente os imigrantes pelas áreas de fronteira.

Caminho. De acordo com o secretário, uma das explicações para a situação é o fato de que o País, na prática, não fechou suas fronteiras enquanto países vizinhos intensificaram os bloqueios por causa da covid-19.

Pelo ar. Segundo o secretário, a maioria dos africanos têm entrado no Brasil por meio de voos comerciais que pousam em Rio Branco (AC).

Pressão. Desde o último domingo, 14, cerca de 400 pessoas, maioria de haitianos, ocuparam a Ponte da Integração, que liga o Brasil ao Peru. Nesta terça-feira, 16, o grupo entrou em confronto com policiais peruanos e foi mandado de volta ao território brasileiro.

Vixi. A situação tem preocupado o Estado por causa da pandemia O temor é de que haja uma explosão nos casos de covid-19 no município de Assis Brasil, onde está a Ponte da Integração. Todo o Estado está na fase vermelha e a variante brasileira do coronavírus já foi identificada na região.

Panorama. Parlamentares da bancada acreana se reuniram nesta terça-feira, 16, com Ernesto Araújo.

Não tá… O chanceler, no entanto, afirmou não estar conseguindo negociar com os peruanos, que estariam irredutíveis, e a equivalente dele no país vizinho foi demitida por furar a fila da vacina contra a covid-19.

…comigo. Segundo relatos, Araújo teria se comprometido a enviar reforços do governo federal para a região. Os parlamentares se queixaram da ausência de Itamaraty, Exército e Polícia Federal no local, deixando tudo aos cuidados da Prefeitura de Assis Brasil, município com apenas 7 mil habitantes.

Ops. Há o temor entre os deputados de que o incidente com o governo do Peru se transforme em uma crise diplomática mais ampla.

De olho. Após a reunião, a Presidência informou às autoridades locais estar à disposição. O Ministério da Justiça também acompanha o caso.

CLICK. Em Santa Catarina, Eduardo Bolsonaro, o 03, (segundo à esq.) “numerou”, assim como seu pai, Max Guilherme Machado, Jorge Seif e Hélio Lopes (esq. para dir.).

Reprodução/Instagram

LEIA TAMBÉM: Maioria dos senadores defende publicamente reforma tributária, segundo pesquisa

Até… O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), criticou a demora na sanção da medida provisória que agiliza a compra de vacinas.

…quando? “Bolsonaro trata de armas, que matam. Quando se trata de vacina, para salvar vidas, ele demora para sancionar. Anuncia que deve vetar mecanismo de validação de uso no Brasil de vacinas já aprovadas e em uso em outros países.”

SINAIS PARTICULARES.
Wellington Dias (PT), governador do Piauí

Ilustração: Kleber Sales

PRONTO, FALEI! 

Foto: André Dusek/Estadão

Ronaldo Caiado (DEM), governador de Goiás:Abrimos mais 35 leitos de UTI em Goiás, mas nada adianta se a sociedade não fizer a sua parte. Aglomerações só servem para o vírus circular e contaminar mais gente. E por mais que sigamos abrindo novos leitos, nossa mão-de-obra na saúde não é infinita.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Tudo o que sabemos sobre:

Acretráfico internacionalcovid-19

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.