Ação do DEM no Supremo ameaça 27 deputados

Ação do DEM no Supremo ameaça 27 deputados

Coluna do Estadão

16 de dezembro de 2018 | 05h30

Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Uma ação movida pelo DEM no Supremo Tribunal Federal (STF) ameaça rachar a aliança do Centrão. O processo pode fazer com que 27 deputados federais eleitos em outubro percam a vaga para outros candidatos, uma vez que questiona as novas regras sobre a divisão de cadeiras remanescentes na Casa aprovadas na minirreforma eleitoral. Se o dispositivo for derrubado, o DEM subiria de 29 para 30 deputados; o PRB de 30 para 32. Porém, a ação rifaria Paulinho da Força (SD-SP), um dos líderes do Centrão, que perderia o mandato para Douglas Belchior (PSOL-SP).

A sós. Durante o jantar de confraternização do DEM, quarta, os presidentes da legenda, ACM Neto, e do PRB, Marcos Pereira, conversaram reservadamente sobre a ação. Interlocutores dizem que Pereira foi à festa para tentar convencer o DEM a pedir ao STF prioridade no julgamento.

Timing. O DEM queria que o assunto tivesse sido resolvido antes das eleições e teme agora a “fulanização” da controvérsia. Acredita que mesmo que o STF derrube o novo critério, pode determinar que passa a valer nas próximas eleições.

Entra e sai. Não é apenas o Centrão que será atingido. Se a nova regra for derrubada, o PT e o PSL, do presidente eleito Jair Bolsonaro, por exemplo, podem perder duas vagas cada um.

#ficaadica. Líderes do Centrão enviaram recado ao MDB: se o partido não consegue “controlar” seus correligionários, que abandone o blocão de apoio a Rodrigo Maia (DEM-RJ). A maior ameaça à reeleição do demista ao comando da Câmara hoje chama-se Fábio Ramalho (MDB-MG).

Manda quem pode. O governo publica no DOU de segunda a indicação de Vicente Aquino para o conselho da Anatel. O advogado cearense vai substituir o conselheiro Otavio Rodrigues. A troca atende ao senador Eunício Oliveira.

É fato. Ao contrário do que a Coluna informou ontem, Eunício não respaldou o nome de Rodrigo Sérgio Dias para a vaga. A manobra para tentar emplacar Dias na Anatel foi do ministro Alexandre Baldy.

Superpoderes. O futuro secretário de governo, general Santos Cruz, vai cuidar também das emendas parlamentares. Ele já é reconhecido entre os colegas como o novo superministro.

 

SINAIS PARTICULARES — A SÉRIE

OS NOVOS MINISTROS

General Carlos Alberto dos Santos Cruz, futuro titular da Secretaria de Governo; por Kleber Sales

 

Harmonia. O ministro Moreira Franco enviou para o conselho da Petrobrás o nome de Roberto Castelo Branco, que vai presidir a empresa no governo Bolsonaro. Assim, poderá ser aprovado na terça e assumir já em primeiro de janeiro. O movimento foi combinado com Jair Bolsonaro e o futuro ministro de Minas e Energia, almirante Bento.

CLICK. O China Construction Bank, um dos maiores da China, distribuiu panetone gourmet e cartão desejando “boas festas” a servidores do Ministério da Saúde.

Reprodução

Plano K. Petistas tentam convencer Kátia Abreu (PDT-TO) a concorrer à presidência do Senado. Avaliam que a única alternativa para não apoiarem Renan Calheiros (MDB-AL) é caso Kátia lance a candidatura.

Torneira aberta. A decisão de Rodrigo Maia de reajustar a verba de gabinete garantirá aos deputados federais R$ 4.808 a mais por mês para pagar seus assessores de gabinete.

 

AGENDA DA SEMANA

 

Terça-feira, 18 de dezembro

Conselho Nacional de Justiça discute auxílio-moradia

Presidido pelo ministro Dias Toffoli, o CNJ se reúne em sessão para definir as novas regras para concessão do benefício para juízes de todo o País.

 

Terça-feira, 18 de dezembro

Romero Jucá tenta aprovar orçamento de 2019 no Congresso

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), articula a aprovação do primeiro orçamento de Bolsonaro.

 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM RAFAEL MORAES MOURA e TÂNIA MONTEIRO.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: