Abuso de autoridade ganha um sopro de vida

Abuso de autoridade ganha um sopro de vida

Coluna do Estadão

17 de abril de 2019 | 05h00

Ministro do Supremo Alexandre de Moraes. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A operação autorizada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes contra supostas fake news, somada à censura a uma reportagem da revista Crusoé, deu um sopro na brasa quase adormecida no Senado das “dez medidas contra a corrupção”. O projeto, desidratado na Câmara, acabou deixado de lado por causa da criminalização do abuso de autoridade, inserida no texto pelos parlamentares como forma de coibir a Lava Jato. A proposta se encontra hoje na CCJ e teve o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) designado como relator há cerca de 40 dias.

Revide. Na reunião de líderes do Senado, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi cobrado para dar encaminhamento aos pedidos de impeachment de ministros do STF. A CPI da Lava Toga, mais uma vez, foi tema.

Como assim?. No final das discussões, Alcolumbre, contrário a atritos com o Judiciário, disse que a “imprensa também exagera às vezes”. Em pauta estavam a operação de ontem e a censura à revista Crusoé e ao site O Antagonista.

Com a palavra. Davi Alcolumbre nega ter falado sobre a imprensa.

Distância. Generais ouvidos pela Coluna acham mais preocupante o cerceamento à liberdade nas redes sociais do que o fato de um dos alvos da operação de ontem ser um militar.

Crush. Ao investir contra o inquérito em curso no STF, a procuradora Raquel Dodge falou diretamente ao coração de sua categoria. Segundo apurou a Coluna, quem também gostou do gesto foi o clã Bolsonaro, em atrito com o STF.

Corrida de… Internamente, até mesmo adversários de Raquel Dodge avaliam que a peça jurídica suspendendo o inquérito está tecnicamente correta, ao questionar, por exemplo, quem tem prerrogativa de foro.

…longa distância. Mas avaliam que a decisão coloca o MPF em situação de fragilidade ao abrir espaço para o questionamento das prerrogativas da instituição. Agora, será preciso ter fôlego para ir até o fim.

Boa vizinhança. Paulo Guedes convidou o líder do MDB, Baleia Rossi (SP), e o presidente da Comissão de Finanças e Tributação, Sérgio Souza (MDB-PR), para bater um papo ontem.

SINAIS PARTICULARES
Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Discutindo… Nas muitas conversas desta semana sobre a intervenção de Jair Bolsonaro na Petrobrás ao vetar o aumento do diesel, integrantes da equipe econômica avaliam que faltou um pouco de compreensão política à empresa estatal.

…a relação. Eles reconhecem que os caminhoneiros foram importantes para impulsionar a eleição de Jair Bolsonaro no ano passado e acreditam que o ministro Onyx Lorenzoni, uma espécie de “padroeiro” da categoria, poderia ter articulado o meio-termo entre a política e a economia.

CLICK. O senador Petecão (PSD) iniciou as comemorações de seu aniversário no fim de semana. Fez um churrasco embaixo do bloco residencial. “Farofeiros”, brinca.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Big… Para evitar o que aconteceu ano passado, quando a greve travou o País, o GSI monitora as redes sociais dos caminhoneiros autônomos, que representam 30% da categoria.

…brother. Na paralisação do ano passado, eles ficaram fora dos radares oficiais, e o governo não conseguiu prever o tamanho da encrenca.

Gesto. Abraham Weintraub, o novo ministro da Educação, foi ontem à residência oficial da Câmara se encontrar com o presidente da Casa, Rodrigo Maia.

PRONTO, FALEI!

Eduardo Villas Bôas. FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Eduardo Villas Bôas, assessor especial do GSI: “Paulo Chagas é meu amigo pessoal e confesso que estou preocupado”, sobre operação da PF determinada pelo Supremo que teve como alvo o general da reserva.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: