Abertura de empresas cresce e indica retomada

Abertura de empresas cresce e indica retomada

Coluna do Estadão

07 de outubro de 2020 | 05h00

Foto: Hélvio Romero/Estadão – 19/3/2009

Apesar dos trancos e barrancos da retomada econômica, houve aumento no número de empresas abertas no Brasil em setembro na comparação com o mês anterior, de acordo com o Mapa de Empresas que será divulgado hoje pela Secretaria Especial de Desburocratização do Ministério da Economia. O saldo foi de 252,8 mil companhias ativas a mais no período de um mês. Ao todo, 327,8 mil foram abertas em setembro, quando a pandemia começou a arrefecer no País. Em agosto, 320,1 mil. Pelo menos 19,5 milhões de empresas estão em atividade.

Vai bem. São Paulo também alcançou bom resultado no último mês, com a abertura de mais de 2 mil empresas, número superior ao registrado em agosto.

Vapt, vupt. De acordo com a secretaria, o tempo médio para a abertura de uma empresa em todo o País se manteve estável: 2 dias e 21 horas, porém, 32,8% dos empreendimentos conseguiram ser criados em menos de 24 horas.

Melhorando. No total, 88,1 mil empresas fecharam em setembro último. Foram 90,3 mil em agosto.

Ofensiva. Sem terem sido convidados para o jantar entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia, deputados do chamado Centrão tentaram, até o último minuto, convencer o ministro da Economia de que não seria uma boa participar do encontro.

Consequência. Alegaram que o jantar poderia prejudicar as articulações em torno da instalação da Comissão Mista de Orçamento na Câmara, que hoje vive uma disputa entre o grupo do deputado Arthur Lira (PP-AL) e o do presidente da Câmara. O início dos trabalhos na CMO, previsto para ontem, foi adiado, para se tentar um acordo.

Protetor… Já está virando até piada em Brasília: nas viagens que Jair Bolsonaro tem feito pelo País, parlamentares, especialmente os do Centrão, aproveitam a oportunidade para encher o ouvido do presidente com conselhos e sugestões favoráveis ao aumento de gastos do governo.

…auricular. Um amigo do presidente acha que ele deveria tapar os ouvidos para essa turma e abri-los mais para Paulo Guedes.

SINAIS PARTICULARES.
Jair Bolsonaro, presidente da República

Ilustração: Kleber Sales

Vamos… As primeiras reações no Senado após a divulgação, pelo Estadão, de que a universidade espanhola nega a existência do curso de pós-graduação incluído no currículo de Kassio Marques foram de cautela.

…aguardar. Segundo um senador da velha-guarda, mesmo que o currículo acadêmico de Marques apresente informações duvidosas, por ora, há a compreensão generalizada de que ele preenche os requisitos para a vaga no Supremo.

A ver. Ainda é cedo, porém, para posições definitivas. As explicações de Marques ao governo e a reação da opinião pública podem ser decisivas para o desfecho do caso.

CLICK. Eduardo Bolsonaro, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, recebeu a embaixadora venezuelana enviada por Juan Guaidó, Maria Teresa Belandria.

Reprodução/Instagram

 

Equivalente. Relator, no Senado, da lei que aumentou as penas ao crime de maus-tratos a cães e gatos, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentou dois projetos de lei para também aumentar a pena de prisão para os crimes de abandono de incapaz e de exposição ou abandono de recém-nascido.

Balança. O objetivo é corrigir uma disparidade, porque a punição à violência contra animais agora ficou superior à de abandono de pessoa incapaz. O presidente Jair Bolsonaro chegou a dizer que não sancionaria a proposta dos animais por este motivo.

Nas redes. O desembargador Kléver Loureiro respondeu a questionamento do CNJ primeiro em seu Facebook e só depois à entidade. Ele está sendo questionado no órgão pelos credores da massa falida da Usina Laginha (AL), de propriedade do ex-deputado e usineiro João Lyra.

Público. Na rede social, o magistrado expôs detalhes do caso, nomes e valores, além de ter questionado o pedido de suspeição por parcialidade e afastamento apresentado pelos credores.

Opa. Os credores recorreram novamente ao CNJ, para, desta vez, reclamar que Loureiro violou a Lei Orgânica da Magistratura, que proíbe o magistrado de manifestar por meios de comunicação sua opinião sobre seus processos ainda em julgamento.

BOMBOU NAS REDES!

Fabio Trad. FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Fábio Trad, deputado federal (PSD-MS): “Bolsonaro erra gravemente ao usar o STF na tentativa de acalmar sua base eleitoral quando promete um pastor como ministro na segunda vaga. Nossa Suprema Corte não é Igreja e se alguma palavra lá deve ser pregada é a da Constituição Federal que garante liberdade de crença”.

COM ALBERTO BOMBIG E MARIANA HAUBERT.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: