A recauchutagem do Cidadania por Huck

A recauchutagem do Cidadania por Huck

Coluna do Estadão

26 de janeiro de 2020 | 05h00

O empresário e apresentador de TV Luciano Huck Foto: GABRIELA BILO/ESTADÃO

De olho na cada vez mais provável candidatura de Luciano Huck à Presidência, o Cidadania faz uma recauchutagem interna para conquistar o apresentador. O processo começou no ano passado, com uma série de mudanças, como abertura para movimentos cívicos e fim da reeleição no comando do partido, e continuará neste ano. O nome mais forte para assumir a direção é o do deputado Daniel Coelho (PE), líder na Câmara. A ideia é incrementar o perfil jovem do Cidadania e preparar o terreno para a possível filiação do apresentador global.

Datas. A Executiva Nacional do Cidadania tem encontro marcado no dia 4 próximo. A deputada Paula Belmonte (DF), muito à vontade no partido, acha que seria bacana Huck se integrar antes das eleições municipais deste ano, para conferir uma musculatura eleitoral à legenda.

Pra frentex. Roberto Freire, no comando desde 1991, deverá assumir a presidência de honra. No entorno de Huck, o movimento foi visto como forma de deixar a renovação do partido como seu grande legado.

Se achany. O apresentador, que em Davos não negou ser presidenciável, disse a interlocutores que estava contente com a repercussão da sua presença no Fórum Econômico Mundial.

SINAIS PARTICULARES.
Luciano Huck, apresentador de TV

Kleber Sales

Muita areia. Um influente dirigente de partido de centro avalia que Huck poderia muito bem ser o candidato da centro-direita e centro-esquerda em 2022.

E se… Análise de consultoria à qual auxiliares de Huck tiveram acesso indica que ele seria uma das vítimas de uma eventual candidatura de Sérgio Moro à Presidência. Isso porque o apresentador, apesar dos flertes com a “esquerda progressista”, também disputa o voto antipetista.

Já deu. Bolsonaro foi aconselhado por auxiliares que o acompanham em viagem à Índia a se afastar de Alberto Fraga. A leitura é de que boa parte do “estardalhaço” no mais recente episódio entre Moro e o presidente se deve às declarações do ex-deputado.

Ha-ha-ha. Um ministro da comitiva de Bolsonaro ironizou: “É como comparar o Rodinei ao Messi”.

Expectativa. O Ministério da Economia quer aprovar no Senado a Lei de Licitações até o meio do ano.

Realidade. A proposta está na Casa desde 1995.

Bolo pronto. A liberação de empresas estrangeiras em licitação e compras públicas no Brasil já está em discussão no Congresso. Apesar de não citá-las expressamente, o projeto da nova Lei de Licitações não proíbe a participação delas.

Não tão fácil. Mas a proposta apresenta algumas barreiras às empresas estrangeiras. No caso de empate, por exemplo, dá vantagem às brasileiras.

CLICK. O vice-governador Rodrigo Garcia mostrou a secretários e prefeitos que, em 2019, o PIB de SP cresceu 2,6%, enquanto o do Brasil evoluiu apenas 1,2%.

Coluna do Estadão

Seu passado… Com a polêmica do juiz de garantias, passou batida mais uma contradição de Fux. Defensor em 2015 da audiência de custódia, o ministro suspendeu a validade de lei da norma indicada no pacote anticrime e, com isso, liberou prisões sem a aplicação da medida em até 24 horas.

… te condena? A decisão de Fux fragiliza a efetividade de um direito básico dos presos e facilita detenções ilegais e desnecessárias, avaliam juristas e entidades.

BOMBOU NAS REDES!

Ivan Valente. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Ivan Valente, líder do PSOL na Câmara (SP): “Enquanto o Reino Unido proíbe o criacionismo, Bolsonaro agride Darwin”, sobre o novo presidente da Capes defender a teoria criacionista sobre a origem da vida.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: