Banco genético de Moro amplia alcance em 2019

Banco genético de Moro amplia alcance em 2019

Coluna do Estadão

25 de dezembro de 2019 | 05h00

Ministro Sérgio Moro. FOTO: JOSÉ CRUZ/AG. BRASIL

Uma das prioridades de Sérgio Moro no Ministério da Justiça, a Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos conseguiu ampliar em 80% sua participação em investigações de maio a novembro últimos em comparação com a dos seis meses anteriores. O banco nacional de DNA contribuiu com 1.060 casos em 2019 (852 no ano passado). O destaque ficou com São Paulo, Estado da maior população carcerária do País. Segundo o balanço, 259 investigações tiveram uma mãozinha da plataforma em seis meses, e 46 criminosos foram identificados.

Em aberto. A expectativa do Ministério da Justiça é de que a coleta de dados ajude a solucionar 3.282 crimes só em São Paulo.

O que é. Fazem parte do banco do governo perfis genéticos de vítimas, de criminosos e DNAs coletados em locais de crime.

Como é. O banco de DNA foi criado em 2013, mas tornou-se uma prioridade na gestão de Sérgio Moro, principalmente após pontos centrais do pacote anticrime do ministro terem sido derrubados pelo Congresso Nacional.

CLICK. Bolsonaro levou seu estilo para os palácios e diz não ter medo dos fantasmas do poder: “Com a minha pistola do lado da cabeceira da cama, não tem fantasma”.

FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

No azul. Pesquisa do Instituto Paraná divulgada ontem diz que 59,5% dos entrevistados avaliam como ótima/boa a atuação de Moro no combate à corrupção um ano após ele ter deixado o cargo de juiz federal e a Operação Lava Jato.

Recolocação. De saída do cargo de líder da oposição e com possibilidades cada vez mais remotas de ser candidato a prefeito do Rio, Alessandro Molon (RJ) tenta costurar apoios para liderar o PSB na Câmara.

Divididos. Ainda está muito longe de ser uma guerra de listas à moda do PSL, mas o PSB está rachado entre Molon e Danilo Cabral (PE), que já pleiteou o cargo de líder outras vezes.

Sintoma. O racha nas bancadas perpassa praticamente todos os partidos da Câmara, da direita à esquerda.

Não dá ideia. Jair Bolsonaro contou recentemente a jornalistas que a filha Laurinha comentou o desejo de ganhar um irmãozinho. O presidente diz ter cortado o assunto, mas fez questão de ressaltar que “está na ativa e sem aditivo”.

Pra que serve… Jair Bolsonaro ficou surpreso em descobrir neste primeiro ano de mandato que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tinha o importante poder de embargar obras.

…isso aqui? Inclusive, Bolsonaro recebeu recentemente um vídeo do dono da Havan, Luciano Hang, reclamando de uma obra embargada pelo instituto.

Rastro… Após a primeira bateria de depoimentos tomados pela CPI do Óleo, em andamento na Câmara dos Deputados, o relator João Campos (PSB-PB) viu contradições entre as versões de representantes da Marinha, do Ministério do Meio Ambiente e Ibama.

…de óleo. É sobre elas que a CPI vai se debruçar na volta dos trabalhos.

Santa. O senador José Serra (PSDB-SP) aproveitou horas de voo para ler a biografia Irmã Dulce, a Santa dos Pobres (Planeta). A canonização da brasileira levou uma comitiva de políticos a Roma: ela conversa com todos os espectros políticos, sem preconceitos.

SINAIS PARTICULARES.
José Serra, senador (PSDB-SP)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

BOMBOU NAS REDES!

Augusto Arruda Botelho. FOTO: CHRISTINA RUFATTO/ESTADÃO

Augusto Arruda Botelho, advogado: “Indultar uma categoria profissional, seja de policiais, advogados, jornalistas ou publicitários, é ilegal”, sobre o indulto de Natal de Jair Bolsonaro.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU MATEUS VARGAS.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Sergio MoroMinistério da Justiça

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.