Convocação de ministro da Educação esquenta clima na Câmara

Convocação de ministro da Educação esquenta clima na Câmara

Coluna do Estadão

15 de maio de 2019 | 05h00

Sessão da Câmara que aprovou convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub. FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Foi tenso o embate entre o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), e o Centrão, segundo relatos, por conta da convocação do ministro da Educação. Em certo momento, Waldir disse a deputados que Abraham Weintraub dará uma “aula” no plenário. Um membro do Centrão rebateu: “Que bom, porque eu sou burro”. O líder do PSL, então, provocou: “Vem ensinar porque é professor, se fosse delegado, como eu, viria para prender”. A sugestão de que há ladrões na Casa esquentou o clima e ajudou na derrota acachapante do governo.

Passou. Quando percebeu o erro cometido, o PSL tentou corrigir os rumos e orientou a votação contra a convocação de Weintraub em plenário. Já era tarde.

Deslocado. Major Vitor Hugo (PSL-GO) só usou a tribuna às 19h55. Disse que a convocação do ministro seria uma “excelente oportunidade” para Weintraub.

Distância. A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), que nunca escondeu o incômodo com a atuação de Vitor Hugo, sondou um deputado do Centrão para substituir o líder na Câmara. Ficou sem resposta.

Uma volta atrás. Onyx Lorenzoni só procurou Marcos Pereira (PRB-SP), presidente interino da Câmara, para tratar da convocação quando o assunto já havia sido pautado pelo Colégio de Líderes da Casa.

Perdas e danos. Onyx prometeu ir à Câmara conversar com Marcos Pereira.

Pedra no caminho. Pesquisa do instituto Ideia Big Data mostra que, para os deputados federais, a falta de diálogo e de entendimento entre o Legislativo e o Executivo é hoje o principal obstáculo para a aprovação da reforma da Previdência.

Calouros e… Segundo a pesquisa, a maior resistência à reforma da Previdência na Câmara parte dos deputados federais veteranos. Entre os novatos, 68% afirmam ser favoráveis às mudanças na seguridade.

…veteranos. Entre os que possuem experiência no cargo, 47% defendem a reforma. No geral, 57% dos deputados federais ouvidos apoiam as mudanças na Previdência (42% são contra).

SINAIS PARTICULARES
GOVERNADORES
Ibaneis Rocha (MDB-DF)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Lá vem… Um acordo de líderes no Senado deverá trocar na CCJ o relator do projeto que analisará o recente decreto de Bolsonaro sobre o uso e porte de armas. Deixa o posto Marcos do Val (Cidadania-ES) e entra Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB), considerado refratário ao teor do texto.

…chumbo. A articulação para dar urgência ao projeto ocorreu com o aval do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que está em Nova York. Com isso, o Senado também indica que enxerga inconstitucionalidade no decreto.

CLICK. Governador João Doria em café da manhã com empresários e investidores americanos em Nova York. O tucano busca atrair US$ 10 bi para concessões e parcerias.

FOTO: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Contra o… Bolsonaro se comprometeu com o ministro Osmar Terra a vetar seis pontos polêmicos do projeto que altera a política de drogas, que o Senado queria tirar. Um deles é a cota de 1% para ex-dependentes em empresas de serviços.

…relógio. O objetivo é sancionar o projeto antes de o STF julgar se o porte de drogas para uso próprio é crime. Com o compromisso do veto, o governo evita que a proposta seja enviada de volta à Câmara.

PRONTO, FALEI!

Deputado do PSL Coronel Tadeu. FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Coronel Tadeu, deputado federal (PSL-SP): “Será que a Câmara é tão grande que não possamos sentar, conversar e se entender?”, sobre disputa entre Alexandre Frota e Eduardo Bolsonaro pelo PSL-SP.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao