Sem identidade, PSDB é presa fácil da antipolítica

Sem identidade, PSDB é presa fácil da antipolítica

Carlos Melo

22 de novembro de 2021 | 18h18

Foto: Fabio Motta/AE

A importância do PSDB para o processo político e econômico do Brasil é indiscutível — pelo menos para quem não está preso às amarras partidárias ou peca pelo desconhecimento. No governo Fernando Henrique, ainda hoje sua principal estrela, os tucanos foram fundamentais para a estabilização econômica, ajudando a consolidar o regime democrático que ainda se ressentia do período autoritário.

Contudo, seus dirigentes e sua base social não engoliram a derrota para o PT, em 2002. Nem compreenderam as razões do sucesso de Lula. Se o petista, de fato, se favoreceu da estabilidade do Real, também é verdade que aprofundou o ajuste fiscal, aumentando superávits primários, compreendeu a importância da inclusão social e se comunicou com o País.

Tampouco superaram a mordacidade lulista da “herança maldita”, e morderam a isca do “nós contra eles”. Daí, optaram pela oposição ferrenha, como se fossem o PT de antes. Partido propositivo, mergulhou, então, numa profunda crise de projeto com perda de quadros e capacidade de elaboração. Já não compreendia o mundo e a sociedade que se transformavam – a maior virtude do governo FHC. Voltaram-se à rinha eleitoral.

O ocaso do malufismo, no início do século, deixou direita e a extrema-direita órfãs, espaço que o oportunismo eleitoral do PSDB buscou ocupar às custas da identidade social-democrata. Ficou superficial; amarrou-se a projetos pessoais, como o de Aécio Neves, por exemplo. No processo, radicalizou no liberalismo desde sempre refutado por FHC. À mercê do surgimento de seu próprio messias – o “Macri”, o “Macron”, o “Biden” –, revelou-se a profunda crise de identidade.

As divisões de grupos e sentimentos do mundo, o vazio programático, pariram direções incapazes de amalgamar correntes, fazendo do PSDB a federação de interesses regionais, do poder de governadores, das idiossincrasias das bancadas, atraídas pelos governos que se sucederam a Dilma Rousseff. De algum modo, voltaram ao MDB.

O fiasco da prévia não foi apenas em razão das falhas de um aplicativo de votação. O “bug” será pomo de discórdia, que servirá para o aprofundamento da crise, das divisões internas ou de uma cisão definitiva. Nessa vertigem, o PSDB perde a chance de expressar alternativa política e preencher o espaço “nem-nem”. Sem política, torna-se presa fácil da antipolítica de Jair Bolsonaro e Sérgio Moro, com os quais alguns de seus membros já namoram.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.