Na ressaca de 2018, Dem e PSOL deixam de ser coadjuvantes…

Na ressaca de 2018, Dem e PSOL deixam de ser coadjuvantes…

Carlos Melo

16 de novembro de 2020 | 12h05

 

Necessário ainda pesar todos os números da eleição, nos 5.568 municípios do Brasil, de modo a verificar quem está realmente distribuído em território nacional. Como, por exemplo, ficou o Centrão de Jair Bolsonaro, nos rincões do país. Mas, olhando exclusivamente para resultados de maior visibilidade, já é possível fazer algumas afirmações sobre o saldo da eleição.

Antes de definir vencedores e vencidos, uma questão estrutural já parece clara: em 2020 o eleitor foi às urnas com ressaca do porre político de 2018. Há dois anos, as urnas se moveram pelo ressentimento contra a política – aquilo que os singelos e, também, os espertos chamaram de “velha política”, que na verdade era mais ou menos a política de sempre.

A “nova política” – de resto um clichê – não vingou; foi nada mais que uma cachaça de má qualidade, responsável por considerável dor-de-cabeça, cujo maior exemplo, até aqui, é o destino de Wilson Witzel.  Mas, claro, não só: são vários os Witzels que podem ter o mesmo destino.

Desiludido com os frutos de sua própria desilusão, nascida possivelmente lá em 2013, o eleitor de 2020 se manifestou diante do que lhe foi entregue pelo ressentimento de 2018. Parece compreender que não será pela truculência e estupidez que os problemas se resolverão. Nesta eleição, a demagogia e o populismo contaram muito menos – embora, é claro, existam e sempre existirão no reino da Política.

Isto posto, o primeiro balanço é possível. A extrema-direita não teve o êxito que esperava: a vitória em 2018 foi eleitoral, mas não política. Não expandiu os limites de adesão orgânica que vigoram desde o Integralismo, de Plínio Salgado O grande desafio da democracia é manter seu reacionarismo atado à coleira.

Outro ponto: a polarização entre PT e PSDB parece superada. Os dois partidos – como os conhecemos – parecem ultrapassados pela história, embora continuem vivos aqui e acolá. Isso não significa que a velha disputa entre a esquerda e o centro tenha desaparecido. Essa continua, possivelmente com novos atores ou, pelo menos, com uma reviravolta no elenco: coadjuvantes de ontem almejam o protagonismo.

É o que se pode dizer inicialmente de PSOL e Democratas: apêndices de PT e PSDB, se descolaram. A despeito de São Paulo (Capital) onde o Dem nunca teve grande expressão, a jovem-guarda do antigo PFL ganhou corpo em várias e relevantes capitais, se desvencilhou do Centrão, assumiu-se como centro-centro. Já percebido no Congresso Nacional, isso parece ter ganho as cidades.

Por sua vez, o PSOL pede passagem em duas frentes. Na primeira, representando a esquerda nova – mais identitária e cultural, nas jovens periferias do Brasil; gente que vê o PT como “coisa de tios”. Na outra, onde exatamente está boa parte desses “tios”, que buscam no PSOL o PT do passado, na pureza e romantismo perdidos.  Isso demonstra a necessidade de reinvenção nesses dois campos: o centro e esquerda. Se os dirigentes não o fizeram, a sociedade o fará. — já começou a fazê-lo, neste domingo.

No mais, como se intuía, os padrinhos perderam: Jair Bolsonaro, como a raposa da fábula, hoje diz que “as uvas estão verdes”, jogando o fracasso para o quintal do vizinho – a esquerda –, camuflando a grande derrota, cujo maior símbolo é a queda expressiva de votação de seu filho, Carlos, como vereador do Rio de Janeiro, e a não eleição de sua ex-esposa. Não há bolsonarismo, mostrou a eleição: há Bolsonaro, seu mito e sua seita.

Lula, que, de última hora, entregou a cabeça de Jilmar Tatto para não se comprometer com a derrota, tenta agora se associar a sucessos esparsos: se de fato era Boulos desde criancinha, por que não contornou interesses e evitou a vexaminosa derrota de seu partido? Já João Doria ou de Ciro Gomes passaram ao largo da eleição, com o governador “explicitamente escondido” por Bruno Covas – uma contradição em termos, mas reveladora. Enfim, 2020 pode demarcar uma interessante inflexão na política nacional.  A história dirá.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.