Ainda insuficiente para impulsionar o impeachment

Ainda insuficiente para impulsionar o impeachment

Carlos Melo

02 de outubro de 2021 | 19h18

Foto: Taba Benedicto/Estadão

 

Comparadas ao 12 de setembro, as “rachaduras” do antibolsonarismo foram, desta vez, menos evidentes. Adversários subiram no mesmo palanque; a organização reuniu diferentes e divergentes partidos, além dos movimentos sociais. Não deixa de ser um ensaio de frente ampla. Não eleitoral, claro – nesse aspecto, não há nem haverá acordo –, mas contra Jair Bolsonaro, que vive seu pior momento na Presidência do País.

Outro aspecto é que a tensão que houve no início de setembro diminuiu. O recuo do presidente retirou da atmosfera política a maior dramaticidade sentida há um mês. A questão da democracia esteve presente e, naturalmente, ainda preocupa, mas perdeu espaço em relação à inflação e ao custo de vida. Expressos no termo “Bolsocaro”.

Água fria para os mais afoitos, a magnitude das manifestações, no entanto, não surpreendeu. Com o processo de imunização avançando, a pandemia assusta menos, e mais pessoas vão às ruas. Aos poucos. Não foi “gigante”, mas tampouco desprezível: assemelha-se à mobilização bolsonarista de 7 de setembro. Se, então, demonstrou apoio; agora, expressou a evidente rejeição.

Num primeiro balanço, as manifestações deste sábado foram insuficientes para assustar e acionar o senso de sobrevivência de deputados do Centrão, que hoje blindam Jair Bolsonaro. Nesse aspecto, a vida continuará a mesma. Por ora, o impeachment segue apenas uma hipótese. Também, a possibilidade de o presidente não chegar à eleição. Continuam as “narrativas” e os ataques nas redes sociais.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.