Adversária de si mesma

Adversária de si mesma

Carlos Melo

17 de setembro de 2015 | 21h14

No fundo, o país hesita em ir ao impeachment; percebe que não seria bom: em 23 anos, dois casos, é sinal de imaturidade, incapacidade de construir consensos e reformas, aperfeiçoar instituições e promover o desenvolvimento. O golpismo existe, mas é isolado. Se ocorrer o impedimento, será porque se tornou inevitável.

De modo que os alarmes da presidente Dilma Rousseff são, antes, estratégia de quem não consegue conter os próprios vícios; o alcoólatra que, sabe, caminha para a autodestruição previsível. Dinâmicas assim contam com a colaboração da suposta vítima, que também é cúmplice: perde-se o mandato por incapacidade de se impor ao processo político do qual se é o ator principal. O inferno não está só nos outros.

Eleição legitima, mas não basta. O poder carece de qualidade: rumo, futuro; comunicação; garantia de segurança. Credibilidade é tão importante quanto a eleição. Sem isso, a sensação de caos se alastra, gera intranquilidade, a impaciência e a intolerância.

Dilma Rousseff

Foto: Dida Sampaio/Estadão

 

À parte das queixas, Dilma ainda tem contado com a condescendência: o empresariado, preocupado em não piorar o já bastante ruim, reclama, mas alivia. Mesmo o PMDB prefere jogar nos erros do governo. Do TCU, Dilma ganhou o tempo que pediu; do TSE, a procrastinação. Até a oposição, com seus erros, contribui pelo avesso – Lula e o PT são mais ácidos. A presidente dá chance ao azar; sua imperícia é que alimenta o perigo.

Não há o que possa ajudar sem que a presidente, antes, faça algo por de si própria. Seu maior inimigo está no governo: inabilidade, indecisão, omissões; a ambiguidade econômica; a cizânia que se espalha pelo Executivo, como metástase. Orçamentos com déficit, balões de ensaio de reformas e medidas inviáveis; corporativismo, cortes performáticos. CPMF que vem, vai e volta. A presidente precisa olhar para o espelho e ordenar: “Dilma, levanta-te e anda!”

Tudo o que sabemos sobre:

impeachment

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.