O legítimo candidato da família

Roberto Fonseca

22 de agosto de 2012 | 19h04

Família de candidato também sofre junto. A minha já começou a receber telefonemas de parentes e conhecidos distantes, de gente que me pegou no colo quando eu tinha, sei lá, uns 18 anos… Brincadeira! Gente que me pegou no colo quando eu tinha 6 meses e agora vislumbra a oportunidade de ter um velho amigo no poder municipal.

Claro que ao serem informados da natureza jornalística da minha candidatura, a turma dá uma boa desanimada e logo muda de assunto – não sem antes alfinetar minha presença na televisão: “ele já tem cabelo branco” e  “ele engordou um pouquinho” estão entre os comentários mais repetidos.

Temo pelos almoços de domingo e reuniões familiares…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.