No escuro, ao som de Maçaranduba

Gilberto Amendola

12 de setembro de 2012 | 17h04

O Candidato Acidental foi tema de debate ontem no Observatório da Imprensa, na TV Brasil.

Por motivos óbvios, não mostrei a cara. Fui filmado no escuro, de capuz, e tive a voz distorcida. Parecia um rapper famoso ou um menor de idade vítima de violência doméstica.

Tinha um sonho de aparecer com a voz do Pato Donald na tevê, mas ainda não foi dessa vez. Ela ficou parecida com a do Maçaranduba (aquele personagem pit boy do Casseta & Planeta).

Brincadeiras à parte, o programa discutiu minha candidatura e como ela poderia colaborar para o aprimoramento do processo eleitoral. Também foram debatidas questões éticas envolvendo essa iniciativa.

No programa, falei sobre a relação do cidadão com o candidato e a vergonha de ser político:

– Você encontrou algum candidato a vereador disposto a mudar o mundo? – me perguntou a repórter do Observatório.

– Para ser honesto, não…

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.