Não peça voto, faça amor!

Roberto Fonseca

14 de setembro de 2012 | 16h51

Não tem nada que deixe candidato mais ouriçado do que pesquisa.

O sujeito nem dorme direito, tem calafrios e certas reações alérgicas decorrentes do sobe e desce dos números.

Infelizmente, como candidato a vereador, não passo por essa emoção. O universo de postulantes a uma vaga na Câmara é tão vasto que qualquer tentativa mais acurada de levantamento seria inglória – embora não seja impossível que algum concorrente endinheirado pague por pesquisas em sua região de atuação para saber como anda sua moral com a população.

O fato é que o Candidato Acidental nunca vai sentir o gostinho de ser um traço, um zero (com viés de baixa) num Ibope ou Datafolha da vida.

Mas eu queria muito, muito mesmo, participar da pesquisa eleitoral realizada pelo site AshleyMadison.com (uma espécie de rede social para relacionamentos extraconjugais. Ou seja, uma rede social sem a conversa fiada do Facebook, uma rede social em que você não precisa perder tempo postando vídeos de gatos fofinhos ou frases do Caio Fernando Abreu).

O site teria feito a seguinte pergunta para 1.897 mulheres em São Paulo (um número de participantes maior do que a das últimas pesquisas Ibope e Datafolha): “Com qual candidato à Prefeitura de São Paulo você manteria um caso?”

O resultado da pesquisa, segundo o site da Veja Online:

Fernando Haddad (PT) 27%

Eymael (PSDC) 23%

Gabriel Chalita (PMDB) 19%

Celso Russomanno (PRB) 15%

Carlos Gianazzi (PSOL) 7%

José Serra(PSDB) 5%

Levi Fidelix (PRTB) 2%

Paulinho da Força (PDT) 1%

Miguel Manso (PPL) 1%

*

Uma coisa me chamou atenção. O Eymael em 2º lugar, garantindo vaga no 2º turno.

Será que as entrevistadas sabem que a Democracia Cristã não é uma posição sexual? Será que elas se deixaram levar pelo assobiável jingle do candidato?

Enquanto isso, o Candidato Acidental continua no traço…

Tudo o que sabemos sobre:

Candidato AcidentalcasoEymaelsite

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.